Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Quem (re)casa quer casa nova

por oficinadepsicologia, em 27.08.11

Autora: Inês Mota

Psicóloga Clínica

www.oficinadepsicologia.com

 

Inês Mota

Com frequência são revelados em consultório os sentimentos de desilusão e frustração que se abatem sobre os casais de famílias reconstituídas. Este é um sinal de alerta significativo, já que as estatísticas indicam que a taxa de separação é maior nestas famílias comparativamente com as famílias tradicionais, deixando-nos de sobreaviso para o risco acrescido de ruptura das famílias reconstituídas.

 

É então importante apelar à “saúde” e preservação das famílias reconstituídas alertando os membros do casal de que as tarefas que têm a seu cargo são diferentes das famílias tradicionais e que envolvem uma maior complexidade e maturidade emocional.

 

É importante dizer também a estes casais que estas tarefas poderão ser desempenhadas com naturalidade e satisfação mas que é importante conhecer as diferenças, singularidades e os desafios que as mesmas comportam, para que possam ser satisfatoriamente superadas.

 

Tem-se verificado com frequência uma pressa em (re)casar ou em unir as duas famílias, por parte dos dois cônjuges, o que não é senão prejudicial à nova constituição. Veja-se, com naturalidade conta-se nas famílias reconstituídas com a presença de filhos, pelo que naturalmente o casal será muito solicitado no seu papel parental.

 

 

É importante então alertar este casal de que o seu primeiro passo continua a ser: namorar. Primeiro há que nutrir, solidificar e preservar este espaço conjugal. A dica é namorar, só depois juntar.

 

A idealização de que este (re)casamento será a oportunidade em que “tudo vai dar certo” e em que “não vai haver erros”não é senão ilusória.

É importante que cada um dos membros do casal aceite que todas as relações trazem inevitavelmente negociações e embates de opiniões pelas naturais diferenças inerentes aos novos membros do casal. Assim, é então importante que cada um dos membros do casal esteja disponível, primeiro para ver as diferenças e depois para falar sobre elas, pois só falando se contornam e se dissolvem os temíveis “erros”.

Muitas vezes o casal inibe-se de falar pois paira sobre ele o fantasma da separação: o receio de se repetir a experiência passada (exceptuando-se os casos de viuvez ou de monoparentalidade). O truque consiste em não fingir que este fantasma não existe mas também em não viver assombrado por ele. A dica é então, enfrentar as diferenças, olhando para elas, falando sobre elas.

Apenas falando, negociando, renegociando, umas vezes em acordo, outras naturalmente em desacordo é que o novo casal poderá enterrar os padrões, regras e códigos utilizados na relação anterior e que já não fazem sentido nesta nova relação, bem como edificar novos acordos satisfatórios para o novo funcionamento familiar.

 

Outro desafio importante nestas famílias relaciona-se com o “mito do amor instantâneo”. É importante que o casal perceba que as relações idealizadas de solidariedade entre o padrasto/madrasta e os filhos do outro membro do casal poderão não chegar a existir e que tenha em mente que o tempo será o melhor aliado nas identificações e aproximações.

 

Convém ainda realçar que é importante que o papel parental seja desempenhado pela figura parental biológica sendo o padrasto/madrasta apenas um precioso auxiliar, que com o tempo e com a eventual fortificação das relações pode começar a tornar-se uma figura mais activa. A dica para os padrastos e madrastas consiste em não ter pressa em ser visível, para não correr o risco da sua presença ser gritante.

 

Por fim, é importante sublinhar que já se observa uma nova tendência nas famílias reconstituídas que começam a organizar o seu quotidiano entre duas casas. Assim, ao (re)casar ou ao juntar-se novamente, a dica consiste em experimentar o que melhor funciona para a nova organização familiar e em não teimar em seguir cegamente o arquétipo de família tradicional. Não há censura que o venha castigar, pelo contrário, sairá certamente a ganhar ao adaptar-se às (re)organizações  necessárias da sua nova família.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:46



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D