Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Sempre e nunca: palavras que nos fazem tanto mal!

por oficinadepsicologia, em 28.08.11

Autor: Luís Gonçalves

Psicólogo Clínico

www.oficinadepsicologia.com

 

Luis Gonçalves

Sempre e Nunca são palavras inflexíveis, redutoras e limitadoras da nossa vivência. Tanto em terapia como nos meus grupos de formação, elas surgem de forma quase cirúrgica e reveladora. Até mesmo em mim, reparo nelas de vez em quando! O que é facto é que têm um impacto esmagador no nosso comportamento e é isso que venho hoje falar consigo.

 

Se passamos por um momento particularmente difícil após o fim de uma relação, podemos pensar “nunca serei feliz” ou “as minhas relações são sempre dolorosas”, de entre muitos outros pensamentos possíveis. Estamos a generalizar de tal forma a nossa vida que construímos um padrão desligado das nossas experiências vividas no concreto. Parece que às tantas criamos uns óculos de lentes especiais: só vemos o que confirma o tal padrão, as experiências que o contradizem são evitadas e desprezadas automaticamente. Desta forma, estamos a fortalecer as nossas crenças sobre nós, os outros e sobre o mundo. Se acreditamos que nunca teremos emprego, qualquer não resposta a uma candidatura que tenhamos feito vai alimentar a crença inicial. Se acreditamos que sempre fomos preguiçosos, ignoramos os momentos em que não o fomos.

Tanto a nível individual como relacional, sempre e nunca são importantes impedimentos à mudança!

 

O mais negativo destes óculos é que conseguem distorcer tanto o passado como o futuro (e consequentemente, o presente): a nossa vida relacional não foi sempre horrível (mesmo uma relação complicada tem bons momentos…) e não temos qualquer prova de que nunca seremos felizes. Este tema também faz lembrar aquelas pessoas que passam na nossa vida e que têm comportamentos negativos para com quem se relacionam. Se confrontados sobre eles, referem que sempre foram assim ou que é o seu feitio. Estas não são mais do que grandes desculpas para não terem que mudar e, simultaneamente, desresponsabilizarem-se em relação aos efeitos destrutivos do seu comportamento: não sou mesmo eu que faço mal, é o meu feitio que é o responsável!

 

 

Pensamentos com nunca e sempre criam-nos emoções difíceis, como a tristeza, a vergonha, a raiva ou a culpa, para citar as principais. Estados estes que nos impedem de viver e que apenas irão reforçar as crenças inicias, já que nossas ações serão meras confirmações destas. Acabamos por viver presos dentro de nós próprios, com a sensação de que não há nada que possamos fazer para alterar a vida, “esta vida”. Ora vejamos mais este exemplo: se eu acredito que serei sempre rejeitado pelas pessoas de quem gosto, estarei nas relações na expectativa de que isso possa acontecer a qualquer momento (e se não acontecer, podemos até criar condições para que essa rejeição aconteça… é que mal ou bem, a rejeição será uma terreno conhecido. O “assustador” seria se o outro me amasse incondicionalmente, era a desconfirmação das minhas crenças negativas e a entrada numa zona nova e, por isso, assustadora). O meu comportamento verbal e não verbal estará influenciado e condicionado pela emoção medo (de ser rejeitado). Claro que “gato escaldado de água fria tem medo” mas, felizmente, a vida dá-nos milhões de alternativas e possibilidades. Só precisamos de deitar fora os óculos!

 

Como estamos a ver, as palavras sempre e nunca aparecem em muitas situações do dia-a-dia. Se olharmos para os estilos de comunicação que temos, encontramos grandes evidências do tema que lhe trouxe hoje. Ora vejamos, o estilo manipulador (ou passivo-agressivo) leva a que se usem as mesmas para ganhar controlo sobre o comportamento dos outros e limitá-lo. No estilo passivo de comunicação, o sempre e o nunca surgem em crenças que reduzem a capacidade da pessoa, engrandecem as dos outros ou fazem do mundo um local ameaçador. No estilo agressivo, o sempre e o nunca são usados como instrumentos de crítica, tirando valor às outras pessoas e marcar um ascendente claro sobre elas. O curioso é que o estilo de comunicação assertivo, em que defendemos os nossos direitos respeitando os dos outros, não precisa do sempre e do nunca para nada! Ser-se assertivo é estar-se focado em factos concretos no aqui e agora e com atenção em soluções de consenso, reparando em exceções e ignorando padrões de comportamento. 

 

E para finalizar, deixo-o com um desafio para esta semana: experimente não dizer e não pensar nas duas palavras que vimos hoje, permita-se a ser flexível a esse ponto e depois diga-me o quanto a sua vida e a de outros mudou nestes dias!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:58



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D