Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Final de casamento

por oficinadepsicologia, em 12.10.11

E-mail recebido

 

 

"Desculpe incomodar, mas estou precisando de ajuda. Vamos começar pelas apresentações: Meu nome é A, tenho 38 anos e uma filhota de 5 anos. Estou casada a 11 anos, com mais 4 de namoro.

Neste momento vivo o meu luto da separação e em conflito constante. Há 1 ano que que vasculho dentro de mim o desejo que até então tinha por meu marido, mas nada encontro. Há um ano que vivo fechada numa “jaula” que eu mesma criei. Não consigo, simplesmente dizer: Acabou. Quero o divórcio.

Não há ninguém extra conjugal, apenas ruiu/despareceu o sentimento. Precisei deste ano para me testar e impor limites à minha certeza, mas esta é uma decisão que todos os dias ganha mais consistência em mim. Mas não tenho coragem para dizer a meu marido. Não é tanto pelo medo que tenho de poder vir a ser julgada como insensível, mas apenas porque não tenho coragem. Não sei como fazer…o que dizer.

Pode me ajudar, aconselhar?"

 

 

Cara A

 

Poucas situações existirão que sejam tão dolorosas, confusas e plenas de ambivalência como encontrarmo-nos perante a conclusão que já não queremos estar junto da pessoa que estamos. Esta situação torna-se particularmente penosa quando existe um laço prolongado, confirmado em casamento, e do qual resultam filhos pequenos – como parece ser o seu caso. A descrição que aqui nos deixa parece ser a de uma lâmpada que se fundiu. Como se um dia parasse para reflectir em si e na sua vida e, ao longo do tempo, fosse tomando forma a conclusão de que já não sente pelo seu marido aquilo que a levou a estar com ele durante 15 anos. Fala-nos, também, em falta de coragem. Com franqueza, não me parece ser esse o caso. Estranho seria se tomasse a decisão de terminar uma relação de 15 anos de maneira leviana! E insensível, quando muito, seria comunicar essa decisão de ânimo leve ao seu marido e família. Hesitar quanto à forma de proceder é aquilo que me parece ser o mais expectável dadas as circunstâncias. Não a conhecendo a si, nem ao seu marido, há algumas questões que me parece ser útil ponderar. Em primeiro lugar, o que será que torna tão difícil comunicar ao seu marido o que sente? Será que para si é uma certeza que não há qualquer possibilidade de recuperar o que sente ter desaparecido com o tempo? Aquilo que não quer mais é o seu marido, ou a sua relação como ela se encontra no momento? O que poderiam ser as consequências positivas, e as potenciais dificuldades, de o comunicar?

Reflectir sobre estas questões poderá ajuda-la a posicionar-se, e a ver as coisas com mais clareza. Se continuar a sentir as dificuldades com que se debate, parece-me que a pessoa mais indicada para a ajudar será, seguramente, um terapeuta de casal. Contrariamente ao que os filmes e séries muitas vezes dão a entender, a terapia de casal não serve, apenas, para reparar relações danificadas. Serve para estabelecer um patamar de comunicação aberta e eficaz, no qual se podem tirar conclusões e experimentar soluções: seja no sentido de recuperar a relação, seja para ajudar a compreender e transitar de forma harmoniosa para uma separação.

Espero que esta resposta seja de facto o ponto de partida para que encontre algumas respostas suas. Caso a possamos ajudar de mais alguma forma, por favor não hesite em contactar-nos.

Um abraço,

Francisco de Soure

Oficina de Psicologia

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:45


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Maria João a 13.10.2011 às 18:16

Muito boa análise da situação. Sou leiga na matéria, mas estou a passar por uma situação algo semelhante.
Quanto aos terapeutas de casal, já há uns anos atrás, tentei isso. Mas nunca cheguei a ir pois o meu parceiro negou-se. Ando a tentar sempre resolver tudo sózinha, até porque a pessoa em causa, aqui, não fala. É introvertido, ou recusa-se pura e simplesmente a falar de sentimentos. É mais fácil falar de futebol e outras banalidades........ Será esse o caso de A. ???
Sem imagem de perfil

De Elsa a 14.11.2011 às 14:28

Infelizmente, parece que esta situação é cada vez mais comum, assim como a falta de diálogo entre os casais !
Eu ando a alguns anos a tentar manter o equilíbrio do meu casamento, mas não sei até quando o vou conseguir ...
E por vezes questiono-me se valerá apena manter um casamento muitas vezes por causa dos filhos (?)
Neste momento tenho um filho de 13 anos a reclamar diariamente que o pai nunca lhe deu, nem lhe dá a atenção que ele gostava de ter ... e que se pudesse mudava a personalidade do pai ... e volto a perguntar: Será que fiz o correcto ? Sei que é muito difícil tomar uma decisão dessas, e o pior é que por vezes nem nós próprias temos a certeza de que é o melhor ... e se esse sentimento só parte de um lado do casal é ainda pior... a outra parte nunca compreende a nossa decisão, até porque não tem noção nenhuma de que as coisas não estão a funcionar à muto tempo e no final nós é que estamos erradas perante todos ...
Às vezes um afastamento, ajuda a perceber se ainda à lugar à saudade e a sentir falta dessa pessoa, porque também acontece que só sentimos a falta de alguém quando já não a temos ...
Enfim, tomar e enfrentar determinadas situações na vida não é nada fácil !!
Espero sinceramente que consiga sair desse "pesadelo", e acredite que é mesmo preciso ter muita coragem para seguir em frente e acima de tudo ter a certeza absoluta de que é esse o caminho que quer tomar

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D