Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O menino e o jardim mágico

por oficinadepsicologia, em 23.12.11

Autor: Luis Gonçalves

Psicólogo Clínico

www.oficinadepsicologia.com

Facebook

 

Luis Gonçalves

A época Natalícia é uma altura de emoções fortes, ninguém duvida. Sentimos alegria por estarmos com quem mais amamos. Sentimos tristeza se não os temos por perto. Voltamos atrás no tempo e relembramos quem um dia fomos, as pessoas que nos sorriram, as prendas que nos deram e os locais onde crescemos. Onde tudo era deliciosamente simples e, ao mesmo tempo, transcendente. Para dizer a verdade, vivemos tão ocupados na nossa vida presente que esquecemos as nossas raízes, onde tudo começou. Há dias em que sentimos a necessidade de lá voltar… ao nosso jardim mágico.

 

Era lá que um menino brincava sem fim. Onde árvores imponentes lhe davam sombra e escondiam aves que o deixavam estupefacto. Onde lagos cristalinos davam vida a peixes que o intrigavam ansiosamente. Havia também  águas sem fim onde se banhavam imponentes patos que passeavam todo o seu esplendor. Tudo servia para o menino se fascinar. Não lhe interessava o que vinha a seguir ou se se ia aleijar ou sujar, simplesmente tinha tanto prazer naquele momento que se esquecia que o sol se punha dali a pouco. Corria por caminhos de terra sem fim e tropeçava por vezes, na azáfama de um menino com ânsia de viver. A dor da queda fazia-o mais forte, mais crescido, mais confiante. As folhas caiam por entre céus intermináveis e dormiam sobre a terra húmida de vida. Apanhava também as castanhas que se desprendiam de castanheiros anciãos e ia dar aos seus pais com o orgulho de quem dá uma prenda tão valiosa. Esse menino jogava à bola acreditando que era uma estrela de futebol mundial. Bastava essa fé para marcar mais golos porque era assim que jogava o seu ídolo, não o podia desiludir. Corria sem fim enquanto sorria para os pais que o observavam calmamente de um banco vermelho de madeira intemporal. O menino mostrava-lhes os seus dotes e mesmo quando a finta não saía bem, tinha por perto o afeto dos cuidadores e as palavras de incentivo levantavam-no rapidamente da areia, que se colava nas calças tão docemente preparadas pela mãe. O cansaço era tanto que se deixava cair e rebolar na relva viva de esperança. Logo a seguir, o menino observava o seu pai a dar milho aos pombos e queria tanto ajudar. Aprender tudo com o mestre para ser como ele e, finalmente, ser “um homem”. Como era importante para aquele menino saber todos os detalhes da vida animal e vegetal. Era mesmo fascinante cuidar da Natureza e invadir os seus sentidos com todo o seu agradecimento. Por fim, era altura de mais uma corrida atrás do esférico, driblando as sombras da noite bela que chegava. Esse menino não conhecia limites, aquele jardim era à medida da sua imaginação incontrolável. Outros meninos e seus pais brincavam com aquela criança ávida de vida. A sua energia era contagiante e o seu sorriso um hino à humanidade. O corpo já pedia descanso, tinha sido uma longa tarde. Até que os pais o chamavam, chegara a noite de Natal e o lar acolhedor já os esperava… era tempo de sair do jardim mágico, até ao próximo Domingo.

 

Naqueles anos, tínhamos ideais e ídolos. Acreditávamos no Amor, na Justiça e na Verdade. Sonhávamos em salvar o mundo, sorrindo sem hesitar. Todos nós fomos crianças e se a vida nos parecer uma grande dúvida, talvez precisemos de voltar atrás no tempo. É que éramos tão felizes como agora podemos ser.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:09



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D