Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Estado de amor ou estado de medo?

por oficinadepsicologia, em 23.03.12
Fabiana Andrade

Autora: Fabiana Andrade

Psicóloga Clínica

www.oficinadepsicologia.com

Facebook

 

 

Cada vez mais dou por mim a identificar nas pessoas que me procuram, ou mesmo em amigos próximos, dois tipos de Estado. Chamo-lhe estado pois estamos a falar de um nível estrutural de ser e de viver.

 

O Estado de Amor ou o Estado de Medo.

 

Veja se isso lhe parece familiar?

Ana está infeliz no seu trabalho, todos os dias acorda sem vontade de ir trabalhar. Está num sítio com o qual não se identifica e o trabalho em si não a realiza. No entanto, não questiona sair. Seus pensamentos são: “O país está em crise; e se eu saio e não consigo trabalhar em outra coisa; eu devia era estar agradecida de ter esse trabalho”. E assim por diante, numa lista infindável de boicotes à sua felicidade e à sua capacidade.

 

Quando falamos sobre o seu sonho: trabalhar ao ar livre, viver no campo. Ela o vê como inatingível.

Pedro está infeliz na sua relação. Todos os dias se sente preso, sem energia, triste. No entanto, não questiona sair pois têm uma casa juntos, o país está em crise e essa não é a melhor altura para vender a casa. “E se eu fico sozinho?”, “E se nunca mais conheço ninguém interessante?”.

Quando falamos no seu sonho: viver fora de Lisboa, sair dessa relação, estar feliz. Ele também o vê como inatingível.

 

Essas histórias parecem familiares? A mim sim! Todos os dias trabalho com pessoas que estão infelizes no seu contexto actual mas ao mesmo tempo não conseguem sair dele pois se sentem COM MEDO. Com medo de não serem capazes de fazer transformações felizes, com medo de não atingirem resultados, com medo e com medo disso e daquilo. Esse estado de medo faz com que elas não tomem as rédeas da sua vida e fiquem presas em situações ou pessoas que trazem uma falsa sensação de segurança.

 

Aquilo que está na raiz desse estado de medo é uma desconexão precoce das suas capacidades. De alguma forma essas pessoas perderam a fé em si mesmas, nos seus recursos e nas suas capacidades, e assim, entregam a sua segurança à algo externo. O problema é que essas fontes externas não trazem segurança e sim sensação de prisão, estagnação.

 

Em oposição a este estado de medo, temos o Estado de Amor, que é exactamente o oposto. As pessoas nesse estado trazem em si mesmas (e sabem disso), os recursos, as ferramentas e as capacidades para gerir e resolver tudo em sua vida. Essa real segurança permite liberdade, permite que elas possam fazer mudanças, arriscar em direcção à sua felicidade sem sentir  medo paralisante.

 

Todos nós podemos deixar de estar e de viver em estado de medo e passar a viver em estado de amor se assim o quisermos. A psicoterapia é uma ferramenta nesse sentido. Permite à pessoa conhecer-se melhor, aceitar-se tal como é, entrando em contacto com as suas capacidades.

Permite também fazermos uma distinção do que são as nossas capacidades reais e do que são crenças negativas que interiorizamos sobre nós mesmos, ao longo dos anos e que servem de boicote à nossa felicidade.

 

É um trabalho cujo objectivo final é esse mesmo, voltar à conectar o indivíduo com o seu estado de amor, por si mesmo, pelos outros e pelo mundo, acabando com os “e se” e com “porque eu não faço, ou não sou”. Passamos então a funcionar num estado de permanente observação, consciência, concentração, foco, acesso à todas as nossas capacidades e dimensões de nós mesmos, com total aceitação.

 

É por isso que me sinto todos os dias feliz por fazer o que faço. Assim, tenho a oportunidade de observar e participar dessa fantástica viagem do indivíduo ao encontro de si mesmo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:47


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Paulo Pereira a 24.03.2012 às 18:29

Sem queres fazer o discurso do "velho do restelo" á "crises" que se devem gerir com pinças e nem toda a psicologia positiva do mundo é capaz de transformar o inferno em menos daquilo que ele é.. dai ser necessário realismo e precaução em certas opções pois corre-se o risco de se dar o passo maior que a perna , digo eu!

Não obstante gostei da sua mensagem

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D