Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Morrer e deixar morrer; viver e deixar viver

por oficinadepsicologia, em 21.08.12

Autora: Cristiana Santos

Psicóloga Clínica

www.oficinadepsicologia.com

Facebook

 

Cristiana Santos

Morrer é algo assustador para a maioria de nós seres humanos. A ideia de que é o fim, de que a perda é irreversível, e a sensação de ausência de controlo sobre seja o que for que concerne à morte, angustia-nos… a todos!

Então como podemos viver em paz com a ideia da morte?

 

Proponho que comecemos por simplesmente viver. Se eu for ao cinema e passar o filme todo a pensar como vai acabar, perderei toda a emoção da trama. O mesmo se passa na nossa vida. Se ficarmos centrados na sua parte final, então não a saboreamos. Como podemos sentir falta de algo que não experienciamos? Temos de trazer a nossa mente consciente para o momento presente, aquele em que estamos e sobre o qual temos a responsabilidade de fazer o melhor possível. Experienciar a vida é preparar a morte em paz.

Mas como podemos lidar com a perda daqueles que nos são mais queridos?

A resposta a esta questão não é a fórmula mágica que me vai permitir passar pela experiência sem dor, mas uma simples verdade: aceitando e sentindo.

 

A experiência de perda só traz dor quando as emoções que nos ligam são positivas. Nunca sentirei a falta de alguém que me fez infeliz. Apenas sentirei a dor da perda daqueles que foram significativos para mim. Então, quando não mais vir essa pessoa, claro que irei sofrer. Claro que ficarei angustiada. Mas ainda bem que assim é! Significa que esse alguém foi importante para mim e a sua ausência é sentida. Tentarei, o melhor que puder, sentir essa dor e aceitá-la. Tal como aceitarei quando a dor começar a diminuir e lentamente me deixar. Sim, porque por mais intensa que seja essa dor, ela irá sempre diminuir. Porque é assim mesmo com tudo na vida: um início, um meio e um fim.

 

E quando deixar de doer significa que esqueci a pessoa?

A diminuição da dor não é sinónimo de esquecimento ou de menos amor pela pessoa ausente. Significa que a ferida está a cicatrizar e que estaremos em condições de celebrar e manter na nossa mente as memórias positivas daquele/a com quem partilhamos uma parte de nós. Pois para me lembrar de alguém importante, não preciso do sofrimento.

 

Assim, uma chave para lidar com a morte é através de um trabalho no sentido da aceitação da sua inevitabilidade, e do constante foco no momento presente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:50


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Margarida a 22.08.2012 às 10:10

Para mim as suas palavras foram muito importantes , perdi uma pessoa que fazia parte da minha vida e que para mim ele era tudo. A minha mãe têm tido dificuldade em ultrapassar esta perda. E eu tento apoia-la o máximo. Mas o tema da morte para mim é complicado, principalmente agora que perdi uma pessoa muito próxima e importante na mina vida.As suas palavras ajudaram-me a perceber um pouco. Obrigada.M
Imagem de perfil

De oficinadepsicologia a 25.08.2012 às 18:05

Cara M.,
obrigada pela sua partilha. O objectivo maior da publicação deste texto já foi cumprido: chegar a alguém e ajudar esse alguém a perceber um pouco melhor uma dor derivada de uma experiência de vida tão dura como o luto.

Um abraço com coragem,
Filipa Jardim da Silva
Oficina de Psicologia

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D