Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Animais de terapia

por oficinadepsicologia, em 08.09.12

Autora: Ana Beirão

Psicóloga Clínica

www.oficinadepsicologia.com

Facebook

 

Ana Beirão

No passado convivíamos mais com os animais, numa relação mais estreita. A sua presença foi fundamental para situar o homem e suas aspirações em quase todas as culturas, em diferentes épocas e continentes (Dotti, 2005). Acreditava-se que os animais possuíam poderes, eram retratados como seres poderosos, indicando transmutação, protecção, sentimentos básicos humanos e uma certa evolução espiritual. A mudança da perceção pública só começou por volta do século dezassete, na era do conhecimento. Mais tarde surge a noção de que o animal poderia ter uma função socializadora, principalmente com crianças, dando-lhes sentido de responsabilidade e a possibilidade de desenvolverem sentimentos meigos. A compaixão e a preocupação pelo bem-estar dos animais tornou-se um dos temas favoritos e didáticos da literatura infantil, com o propósito de inculcar a ética da bondade e gentileza nas crianças. Posteriormente, começaram a ser aplicadas as teorias relacionadas com a influência da socialização do animal de companhia nos tratamentos de doentes mentais. Os efeitos benéficos do animal de companhia, como ferramenta terapêutica no tratamento da dor, começaram a ser reconhecidos no decorrer do século dezanove. No entanto, e devido ao desenvolvimento da medicina científica, esta ideia foi colocada de parte. Só novamente por volta dos anos sessenta e setenta do século vinte com Boris Levinson, é que o valor do animal como auxiliar do processo de terapia voltava a ter lugar, documentando os efeitos que ajudava a desenvolver na relação entre terapeuta e paciente e no aumento da motivação do paciente.

 

Os animais hoje em dia preenchem uma série de funções na vida das pessoas. O cão, por exemplo, passa a não ter apenas um papel utilitário, mas também um papel social. As necessidades humanas vão variando e com elas nota-se uma crescente mudança nos relacionamentos com os animais de companhia. Alguns autores afirmam que actuam como confidentes sem risco de traição. Além dos benefícios emocionais, que advém da relação dono e animal, ainda podemos verificar uma melhoria da saúde física e mental. Outros autores mencionam que os animais apresentam ao homem, oportunidades diferentes como: apreciar a natureza e a vida selvagem, inspiração e aprendizagem, a brincadeira, o altruísmo, o companheirismo e a criação de laços com outros homens.

 

Levinson foi quem primeiro designou a terapia animal, ao dar valor ao animal como um auxiliar ao processo terapêutico, e que agora é conhecido como terapia assistida por animais. O programa estabelecido é dirigido e avaliado por um profissional de saúde ou de educação, havendo objectivos específicos sejam eles físicos, motivacionais, educacionais e mentais. As teorias que referem os mecanismos responsáveis pelos benefícios terapêuticos, tendem a centrar-se na noção de que os animais possuem características únicas que contribuem e facilitam a terapia, e a ideia do desenvolvimento de uma relação profissional com o animal pode levar a desenvolvimentos cognitivos e comportamentais positivos, através de uma aquisição de novos dotes e a aceitação de uma responsabilidade e acção pessoal.

 

A Terapia Assistida por Animais é feita por profissionais com objectivos específicos de acordo com a problemática, podendo ser trabalhada com o mais diverso tipo de animais. Mas mesmo em casa é possível observar o efeito que o nosso animal de companhia tem em nós e nos outros. Quando o vamos passear provoca a sociabilização com as outras pessoas, ou quando lhe fazemos uma festa os níveis de ansiedade baixam e sentimo-nos mais relaxados(as), aceita-nos tal como somos, fica sempre contente por nos ver e não julga o que fizemos ou deixamos de fazer. São apenas alguns exemplos.

 

O que é que o seu animal de estimação já fez por si?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:32


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Ana Paula Costa a 08.09.2012 às 21:18

O meu cão - tenho-o há cerca de um ano - está a trazer, aos poucos e de mansinho, a minha felicidade de volta :)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D