Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Até que o perdão nos separe!

por oficinadepsicologia, em 18.10.12

Autor: Gustavo Pedrosa

 

Psicólogo Clínico

 

www.oficinadepsicologia.com

 

Facebook

 

 

 

Gustavo Pedrosa

 

Quando os casais se aborrecem por algum comportamento considerado menos correto por parte de um dos elementos, tendem a repetir padrões na sua forma de interagir e encarar esses problemas. Em geral, há dois tipos de “reações-padrão”: perdão ou rejeição; aceitação ou negativismo; carinho ou raiva; desculpabilização ou agressividade, passividade ou culpabilização!

 

Nem sempre a expressão aberta de emoções e sentimentos em situações de conflito é vista como saudável. A psicologia positiva tem apontado para uma reação de aceitação, para o perdoar e esquecer, para uma racionalização positiva dos problemas. Também nos casais começou a haver um discurso de abertura de expressão de opiniões e sentimentos, mesmo que muitas vezes nem sempre essa abertura seja real, pois quando existe uma expressividade franca por parte de um cônjuge, nem sempre o outro tem capacidade de aceitar a mesma.

 

Mas, por vezes, a expressão da raiva pode ser necessária para resolver um problema relacional, contrariando a passividade e o perdão. Segundo estudos recentes, uma interação conflituosa, menos passiva e mais honesta na expressão de emoções (como a raiva) poderá, a curto prazo, ser muito desconfortável, mas parece ser a mais benéfica para a saúde da relação a longo-termo.

 

A eficácia do perdão está dependente do nível de aceitação do cônjuge, da severidade e frequência da transgressão. Ou seja, a longo-termo, a psicologia positiva poderá não ser a mais eficaz em todos os cenários, pois a aceitação do cônjuge leva o outro a tornar-se, nalgumas situações, menos presente e apoiante, mais irresponsável financeiramente e até infiel. A expressão da raiva sinaliza ao cônjuge que o comportamento ofensivo não é aceite, levando-o a não repetir o mesmo. E quando o comportamento negativo não se repete, há melhorias relacionais a longo termo.

 

Tal como a psicologia positiva, a expressão da raiva não é a panaceia para todos os problemas. Pode não ser aceite em todas as relações e em todas as situações, dependendo do contexto e do meio, das expectativas, das crenças e das experiencias anteriores, de ambos os parceiros. Lembre-se que a expressão das suas emoções poderá ser mal-interpretada, seja pela passividade ou, pelo contrário, pela expressão da raiva e agressividade. A atitude correta estará no meio de ambos os comportamentos, no equilíbrio que tão dificilmente conseguiremos encontrar entre o perdão e a expressão da raiva!

 

Baseado no artigo:

Daily Science News, Sometimes Expressing Anger Can Help a Relationship in the Long-Therm; Aug. 2, 2012.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:24



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D