Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Viver sem ti!

por oficinadepsicologia, em 03.11.12

Autora: Marisa Gamboa

 

Psicóloga Clínica

 

www.oficinadepsicologia.com

 

Facebook

  

Marisa Gamboa

“Talvez por não saber falar de cor, imaginei, talvez por não saber…” (The Gift)

 

 Já não sei o que é viver sem ti, aliás nunca saberei…provocarei sempre a memória, imaginando-te aqui, bem perto, imaginando como seria o teu rosto, como seriam as tuas doces rugas, como te vestirias hoje…deixarias os fatos, os lenços, o cabelo arranjado? Serias mais ousada?…Ou manterias a aparência elegante, discreta e provocatoriamente sorridente! Não vou provocar mais a memória. Vou imaginar-te como foste, aliás…vou imaginar-te como morreste dentro de mim…oh, vou imaginar-te como sempre imaginei! Não posso esconder de ti, aquilo que vês, aquilo que escutas e abraças (às vezes…não percebia que eram os teus braços que me transportavam…que me agarravam…que me abraçavam). Não posso esconder de ti. Tu sabes. Tu conheces a revolta, a raiva, a tristeza, a angústia, essas, que viveram bem ca dentro. Tu sabes. Achava que não tinhas o direito de ir embora, achava que tinhas lutado pouco. Não, não podias deixar-me. A culpa… a culpa estava do teu lado! Perguntaste-me como é que eu iria viver sem ti? Como é que ia respirar?  Quase que perdi a minha alma! Quase que desisti…. A dor era mais forte do aquilo que eu podia suportar. Fui devagar…não sei explicar…encontrei na dor a cura! Consegui perdoar-te! Consegui voltar a amar-te! E Hoje, trago-te comigo…e hoje sei que foste o que pudeste ser, sei que falhaste, sei que a porcaria da doença foi mais forte do que tu! Hoje dizem-me que trago o teu sorriso comigo! Hoje sinto-te…

Viver contigo!

 

Vamos sofrendo lutos, perdas, derrames… e parece impensável… como resistimos? Como superamos a adversidade? Como superamos a vulnerabilidade? Como continuar a viver com uma alma desfeita, descrente, devassada… como superar a morte de alguém, quando esse alguém representa tanto dentro de nós? Tão dolorosa perda pode ter significado? Podemos entendê-la ou devemos entendê-la?

O tempo que passa não faz passar!

 

Mas é necessário tempo para acolher a morte de alguém tão próximo dentro de nós… é necessário fazer crescer uma nova relação… uma vida, sem abraços, sem sorrisos, sem discussões, sem jantares… e tudo fica na imaginação, tudo pode voltar a acontecer na imaginação... mas não da mesma maneira.

 

Não há forma de substituir a perda, não há forma de reparar uma ferida para qual ainda não se encontrou qualquer medicação! Mas é reparador escrever, é reparador pensar sobre… é reparador negar a perda, é reparador aceitar a perda, é reparador gritar…

A psicoterapia pode ter um papel especial neste processo do luto!

                        

Trabalhar a aceitação da perda emocional e física, acolher alguns sentimentos/experiências dolorosas, ajudar a promover a adaptação ao novo meio com uma nova realidade (identidade, crenças, auto-estima).

 

É muito difícil determinar quando termina o luto, ainda que se possa imaginar que a chave está no momento em que olho para o passado, para a história passada, para a pessoa que perdi…q uando olho com afecto e alguma serenidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:52



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D