Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A inevitabilidade das desconexões

por oficinadepsicologia, em 04.11.12

Autora: Isabel Policarpo

 

Psicóloga Clínica

 

www.oficinadepsicologia.com

 

Facebook

 

 

Isabel Policarpo

Todos nós precisamos de estabelecer laços e de estar ligados a outras pessoas. Diversos autores demonstraram que esta é aliás uma necessidade básica dos seres humanos, bem como de alguns animais. Mas apesar disso a ligação ao outro nem sempre é fácil, digam lá o que disserem.

 

De facto todos nós nos recordamos de inúmeros episódios, em que estavam reunidas as condições para que aquele fosse um “ momento único “e onde apesar de todos os preparativos e afinidades em comum, o momento simplesmente não aconteceu.

 

Os pontos de proximidade existentes entre nós e os nossos amigos e companheiros, levam-nos a esquecer com facilidade que afinal habitamos corpos distintos e que tivemos percursos e histórias de vida díspares, pelo que é natural que não só não pensemos nem olhemos para a vida exactamente da mesma forma, como as circunstâncias não tenham o mesmo impacto em cada um de nós.

 

Uma parte significativa do sofrimento que ocorre nas relações interpessoais, advém da sensação de desconexão, entendendo-se a desconexão como uma quebra no sentimento de reciprocidade – isto é quando o “nós”, dá lugar ao “eu” e ao “tu”. Algumas desconexões são óbvias como quando o nosso companheiro comete uma infidelidade, outras são menos evidentes, como quando no meio de uma conversa o nosso companheiro decide ir ver o programa de desporto ou simplesmente não reparou que tínhamos uma camisola nova vestida.

 

O Homem tende a evitar a dor e o desprazer, e muitas vezes sem consciência de que está a fazê-lo. Tendencialmente quando nos confrontamos com emoções que não nos agradam – como o medo, o ciúme, a raiva, a vergonha ou a perda— tendemos a retirar-nos emocionalmente e dirigir a nossa atenção para outro lugar. Mas negar o que sentimos ou projetar nos outros os nossos medos e culpas, impede, por um lado, o nosso desenvolvimento e crescimento pessoal e, por outro, conduz a bloqueios entre nós e as pessoas de quem queremos estar próximos.

 

A prática de mindfulness afigura-se como uma ferramenta importante para lidar com os momentos desagradáveis da vida e com as nossas desconexões. O mindfulness envolve a um tempo a consciência do momento presente e outro a aceitação dessa experiência, entendendo-se a aceitação não como um tolerar ou perdoar um comportamento eventualmente abusivo, mas como algo que é inevitável e que tem de ser enfrentado para poder ser compreendido e acomodado dentro de nós. No âmbito das relações isso significa, por exemplo, aceitar a inevitabilidade de desconexões dolorosas e de utilizar esses momentos como oportunidades para trabalhar emoções difíceis.

 

Todos nós temos sensibilidades e temas pessoais – uma espécie de "botões quentes", que são facilmente evocados nas nossas relações mais íntimas. A prática do mindfulness, da atenção plena ajuda-nos a identificá-los e a reagir a eles de forma diferente, permitindo-nos manter ligados às pessoas que nos são queridas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:30



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D