Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Divorciar é mudar de planos de vida

por oficinadepsicologia, em 10.03.10

Autores: Ana Magalhães e Nuno Mendes Duarte

Psicólogos Clínicos

 

Divorciar é mudar de planos de vida, a meio de uma recta, onde nem sempre há saídas.

Mudam-se os planos de vida, quando a vida lhe muda o plano de uma vida. O divórcio é uma ruptura que não pede licença, que o deixa sem amparo, carregado de escolhas incertas, depois de uma vida partilhada por uma escolha tomada quando os corações sorriam.

 

 É uma despedida sem sorrisos de ternura, em que tudo o que vos uniu se resume a um postal de amor, a preto e branco, guardado numa gaveta fechada com amargura, ou tristeza, ou zanga, ou indiferença. É um postal desbotado sem o brilho dos sonhos que se estilhaçaram.

 

Divorciar é um verbo que o transporta ao princípio de si. Resume-se a um restolho de sentimentos e emoções, por vezes um misto positivo e negativo, outras vezes só negativo.

Terá de voltar a aprender a gatinhar e a andar, de forma trémula, apoiado em quem nunca o abandonou. Os seus. Os que ficam ao seu lado e do seu lado. Os que ainda o acompanham quando parte de si partiu, assim mesmo, com redundância. E tantas outras redundâncias.

É uma luta por algo que não se quer, mas que tem de ser feito por algo que se quer.

 

O processo de divórcio normalmente é complexo, tanto mais se de um lado e outro se acumularam bens de partilha que agora se dividem, contam, descontam, devolvem ou garantem. Deve ser algo para que se deve preparar bem e fortalecer, pois pode ser algo muito agressivo. De repente, a sua vida, a sua privacidade e o seu bem-estar estão a ser discutidos por estranhos, é-lhe dado um número e é posto (a) em lista de espera, on hold, como se a sua vida pudesse parar e esperar.

 

Se da sua união nasceram filhos, o processo torna-se mais moroso e mais complicado. Deve sempre tentar salvaguardar o interesse supremo das crianças (quando as há) e não pensar apenas em derrubar quem a (o) magoou, pois as crianças, neste processo, também são vítimas; não vítimas de si, mas vítimas do destino e da chegada a um cruzamento sem saída.

Para as proteger não se anule, pois só poderá ajudar os seus filhos se estiver bem e em equilíbrio emocional. Não torne o divórcio um luto eterno e inacabado! Se uma porta se fecha na sua vida, muitas outras se haverão de abrir. Feche bem essa porta, para se dar conta das outras que se estão a abrir…

O divórcio é mudança. Qualquer mudança se apresenta como o princípio do nada que um dia se torna tudo. Não se deixe abater. Prepare-se bem para viver este momento e para voltar a nascer.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:29



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D