Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os pais e os filhos – Os seus afastamentos e reencontros

por oficinadepsicologia, em 07.11.12

Autor: António Norton

 

Psicólogo Clínico

 

www.oficinadepsicologia.com

 

Facebook

 

 

António Norton

 

Quando era adolescente ouvi um célebre raciocínio que desde então, de alguma forma, me acompanha e que contém uma sabedoria inquestionável. Esta frase sintetiza de uma forma engenhosa, divertida e sábia como é que os filhos percepcionam os pais à medida que vão crescendo. Vou procurar sintetizar este raciocínio.

        

Entre os 0 e a entrada na pré-adolescência (11-12 anos) os pais são vistos como pessoas que sabem tudo. São as fontes de conhecimento máximas.

 

Entre os 12 e os 15 anos - da pré-adolescência até meados da adolescência – Os pais afinal não sabem tudo!

O seu conhecimento é posto em causa. O adolescente entra na fase de se questionar sobre o seu próprio questionar, entra na fase existencial de pôr tudo em causa, sente um grande distanciamento e uma contra-dentificação com a mundivisão e o estilo de vida dos seus pais.

        

Entre os 15 e os 25 anos – Os pais afinal não sabem nada de nada!

Os pais são vistos como uns caretas, desadequados e descontextualizados, completamente ultrapassados, são apelidados de “cotas” ou de “os meus velhos”. As suas opiniões são pouco tidas em consideração.

        

Entre os 25 e os 35 anos- Os pais afinal até sabem umas coisas!

Para muitos, esta fase corresponde à  emancipação, corresponde à vida fora da casa onde sempre viveram, ao assumir responsabilidades, pagar a renda da casa, a água, a luz, é preciso fazer compras, cozinhar e então a opinião e os conhecimentos dos pais são tidos em maior consideração. Também, esta fase corresponde ao assumir da paternidade ou maternidade. Os pais, os seus conselhos e a sua experiência ganham nova importância e pertinência.

        

Entre os 35 e os 45- Os pais afinal até sabem bastante!

Esta é a fase em que, muitas vezes, os jovens pais se deparam com problemas de comportamento por parte dos seus filhos e em que se apercebem de quão difícil é educar... O paralelismo e a empatia pela experiência dos seus pais ganha outra dimensão.

        

Dos 45 em diante – Os pais afinal sabiam tudo!

Fase em que muitas vezes os pais já faleceram e em que os adultos, finalmente, se apercebem da enorme sabedoria que os seus pais encerravam.

 

E que tal pensar sobre a Psicologia que encerra este texto?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:18


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.11.2012 às 15:41

Obrigado pelo seu artigo, muito esclarecedor e interessante para os jovens mais sensatos conseguirem tirar alguma aprendizagem..
Na realidade os pais são os nossos melhores amigos e deveriam ser aproveitados todos os seus conselhos,
para termos uma vida mais fácil e conseguir a felicidade junto deles.
Então quando se perdem os pais , aí sim vemos como eles eram tão valiosos como pedras preciosas!..
Um bem haja a todos os bons pais pelo seu amor e dedicação.
Até sempre

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D