Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Saudades dos Outros e Saudades de Nós

por oficinadepsicologia, em 28.11.12

Autor: Francisco Gonçalves Ferreira

 

Psicólogo Clínico

 

www.oficinadepsicologia.com

 

Facebook

 

 

Francisco Gonçalves Ferreira

                                      “todos os dias acordo e não consigo deixar de pensar nele...está em todo lado, até mesmo quando não me consigo lembrar dele... porque ele era assim, fugaz...”

 

A nossa história concedeu-nos o privilégio de podermos sentir, dentro de uma gama variada de sentimentos, um tão profundo, interno e também tão desconcertante como o da saudade. Somos dotados dessa ferramenta da alma, por vezes tão vaga e indeterminável, outras vezes tão detalhada e explícita, que tem, porém, sempre a consequência, desejável ou não, de nos aproximar das pessoas ausentes. Quando nos aproximamos dos outros sentimo-nos mais acompanhados e esse sentimento ajuda-nos a confirmar que o nosso mundo interior, o nosso espaço vital, é habitável. Somos habitáveis e a saudade permite-nos valorizar-nos por isso.

 

Para além dessa valência, a saudade também nos rectifica a memória e situa-nos no meio dela, devolvendo-nos coordenadas da nossa identidade. Treinar a saudade e experimentá-la várias vezes ao longo da nossa vida, ou condensá-la num período mais ou menos definido de tempo, permite-nos treinar a nossa memória episódica e emocional e essa constelação concede-nos uma espécie de qualificação ao grau de “pessoas que pensam ou sentem a própria história”. Lembrarmo-nos com saudade é por isso um elemento de sedimentação da personalidade.

 

Mas e quando a saudade nos faz mal? Quando sentimos que deixamos de ser nós próprios porque as imagens dos ausentes nos roubam a capacidade de viver o presente e o dia-a-dia, deixámos de ser inteiros? Perdemos o sentido da realidade? Estamos a ficar malucos?

 

A sensação de alienação ou bloqueio porque estamos incessantemente a pensar numa pessoa que não está presente ou à qual, como naquela música do Sérgio Godinho, temos o “acesso bloqueado”, não é forçosamente sinal de doença nem de perturbação mental. É, sobretudo, uma insegurança e uma necessidade de proteção. É uma vontade de nos sentirmos inteiros, embora pareça que só possamos senti-lo na presença do outro.

 

Muitas vezes este sentimento já existe quando o outro “ainda” é bem real. Nas nossas relações sentimos que com ele, ou com ela, podemos ser quem “verdadeiramente somos”, mas custamos a senti-lo quando estamos sozinhos. Sentimo-nos completos na intimidade com o outro mas vazios na intimidade com nós próprios.

 

Seria bom se encontrássemos, de quando em vez, melhores caminhos para nos bastarmos e ponto final. Ou pelo menos, ponto e vírgula.

Relacionarmo-nos afectivamente com alguém, sentirmo-nos seguros o suficiente para nos darmos a conhecer, apaixonamo-nos, dizermos “aquele é meu amigo”, não acontece porque o outro seja, como costumamos dizer, a nossa outra “metade”, mas antes porque reconhecemos no outro alguém capaz de negociar connosco a nossa “totalidade”. Nós não somos metades. Somos uns. Mas precisamos dos outros para ter a certeza.

 

Na saudade incessante de alguém ausente, está a saudade do que éramos com ele, ou com ela, da verificação da nossa permanência no outro. É uma espécie de certeza da continuidade do nosso ser. Na saudade revisitamos os outros, mas mais importante ainda, aproximamo-nos de nós!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:13


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Jhucy a 04.05.2014 às 03:36

Ameeii..era isso q eu procurava p me entender melhor..vlw amigo !

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D