Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A Depressão é Mais do que “Tristeza Melancólica”

por oficinadepsicologia, em 02.12.12

Autora: Tânia da Cunha

 

Psicóloga Clínica

 

www.oficinadepsicologia.com

 

Facebook

 

Tânia da Cunha

Mencione que está deprimido e todos saberão do que está a falar. Sentir-se em baixo, infeliz, negativo, oprimido, sem valor – todos estes sentimentos são sintomas do que geralmente é designado por depressão.

 

A depressão pode ser uma condição séria e ameaçadora da vida, é um problema que afeta todo o corpo, com raízes bioquímicas e emocionais. Com sintomas como a tristeza, fadiga, sono, perturbações do apetite, medos, preocupações, decréscimo do desejo sexual, dificuldades de concentração e sentimentos de desespero, pode constituir um problema sério se não for tratada.

 

Seguem-se algumas sugestões com o intuito de o ajudar a desenvolver estratégias em relação à doença e questionar novas atitudes:

 

- Em vez do caos, um programa diário: Quem conhece o caos que implica estar deprimido, bem sabe que existe uma enorme dificuldade em estruturar o seu dia-a-dia. É característico desta doença o facto de determinadas atividades, anteriormente realizadas com prazer, passarem a ser difíceis ou até mesmo impossíveis de realizar. Experimente anotar as várias tarefas a desenvolver ao longo de um dia normal, sem esquecer de registar as horas a que devem ser cumpridas. Não queira exigir de si próprio tarefas exageradas. De início, basta fazer uma pequena coisa de cada vez.

 

- Recompense-se a si próprio: Na depressão é preciso recuperar o prazer da vida. Neste sentido, no programa diário acima sugerido, inclua não só as obrigações mas também aquelas pequenas atividades que anteriormente lhe proporcionavam prazer, tente planifica-las com horários fixos e com regularidade, para que tornem a ser sentidas como atividades positivas.

 

- Evitar o isolamento social: Na depressão há uma tendência para vivenciar a sensação de ser incompreendido por toda a gente, o que poderá implicar a quebra de relações significativas e inevitavelmente deparar-se com o isolamento. Lembre-se que o isolamento social nada tem de benéfico, pode até agravar a sua situação.  É importante continuar a cultivar os contactos antigos, mesmo aqueles que lhe pareçam superficiais. Fale com as pessoas que o rodeiam sobre os seus receios e preocupações.

 

- Deixe extravasar os sentimentos: Há pessoas que não se importam de exprimir abertamente os seus sentimentos e emoções. Mas há outras que são mais reservadas e como que se fecham em si mesmas. Na depressão, pode ser um alívio dar livre curso às emoções, visto que assim diminui a tensão interior.

 

Bem sei que o caminho a percorrer não é fácil, mas não tem necessidade de o percorrer sozinho, procure um profissional para o ajudar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:15



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D