Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ingestão compulsiva

por oficinadepsicologia, em 15.01.10

Joana Florindo

Psicóloga Clínica

 

 

Comida, comida, comida... Preciso de comer, preciso de comer mais!!! Posso comer os cereais, as bolachas, os pães e um pacote de batatas fritas também. Estou a sempre a falhar! Não quero saber se agora vou falhar outra vez. Acabei por comer também os restos do bolo de chocolate que tinha no frigorífico... Sinto-me tão cheia e mal disposta. Estou tão cansada que nem me consigo mexer. Porque é que voltei a fazer isto?... Não devo gostar de mim. Não, não posso gostar mesmo. Não tenho amor-próprio. Aliás sinto repulsa por mim e pelo que acabei de fazer! Estou tão, tão triste...

 

Esta é a típica descrição de um episódio de ingestão compulsiva. Ele caracteriza-se pela ingestão de uma quantidade excessiva de alimentos com uma sensação associada de perda de controlo, que só termina quando fortes dores de estômago e um profundo mal estar físico se instalam. Sentimentos de intensa tristeza, culpa, revolta e até mesmo repugnância por si e pelo que acabou de fazer, surgem por fim. E embora cheia de comida, a sensação é a de um enorme vazio interior.

É numa tentativa falhada de lidar com emoções negativas e/ou intensas que se precipitam muitas vezes estes episódios. A procura de conforto e apaziguamento na comida face a sentimentos de grande ansiedade ou tristeza tende a desencadear relações de dependência emocional com ela, que se revelam extremamente difíceis de quebrar.

 

Uma frequência elevada destes episódios poderá indicar a presença de uma perturbação alimentar, a Perturbação de Ingestão Compulsiva. E esta dita toda uma vivência diária, onde é comum estarem presentes:

- Pensamentos constantes e intrusivos acerca de comida e comer;

- Sentimentos de vergonha, de poder ser observada numa dessas ingestões compulsivas;

- Isolamento na tentativa de esconder essas ingestões;

- Perda de controlo e inevitável comer excessivo;

- Mal-estar e cansaço físicos;

- Tendência para o aumento de peso;

- Baixa auto-estima;

- Culpabilização e sentimentos negativos face a si mesma;

- Isolamento social;

- Reduzida esperança na possibilidade de mudança;

 

Também na Bulimia estão presentes episódios de ingestão compulsiva, mas neste caso específico verificam-se comportamentos compensatórios após a ingestão, como a indução de vómito ou a utilização de laxantes e diuréticos, utilizados com o objectivo de tentar controlar a forma e o peso.

E para além de apresentarem características de vivência diária comuns às da perturbação de ingestão compulsiva, as pessoas que sofrem de Bulimia apresentam ainda uma excessiva preocupação com a sua forma e/ou peso, que assumem um papel central na suas vidas, e verifica-se um intenso medo de engordar. As dietas extremamente rígidas e sufocantes que são levadas a cabo, onde a fome é uma constante, revelam-se elementos de risco, potenciadoras de ingestões compulsivas. E também aqui  as dificuldades de gestão emocional se encontram na origem das ingestões excessivas.

 

No que respeita à Anorexia, a percentagem de ocorrência de episódios de ingestão compulsiva é aproximadamente nula.

 

Estima-se que a Perturbação de Ingestão Compulsiva afecte cerca de 2% da população adulta mundial, sendo que 65% dos afectados sejam mulheres e 35% homens. No que respeita à Bulimia, as estimativas mais conservadoras apontam para percentagens de cerca de 1%, em mulheres.

Quanto à procura de ajuda especializada é estimado que apenas 10% das pessoas com perturbações alimentares o façam,  e que isto se pode dever ao desconhecimento do facto de que existem tratamentos eficazes.

 

A Oficina de Psicologia tem ao seu dispor um programa de intervenção psicoterapêutica para Perturbações de Ingestão Compulsiva e Bulimia – “PAPAROCAS COM MEDIDA”.

 Para mais informações consulte-nos em: http://www.oficinadepsicologia.com/paparocas.htm

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:57



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D