Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Será depressão?

por oficinadepsicologia, em 04.08.10

Email recebido

 

Boa tarde

Como posso perceber se estou a passar por uma depressão?

Os melhores cumprimentos,

T.

 

Resposta

 

Cara T.,

 

Antes de mais, a melhor forma será, sem dúvida, consultando um profissional de saúde mental (psicólogo ou psiquiatra) que poderá fazer uma análise exaustiva daquilo que sente, pensa e da forma como reage, para avaliar se a sua situação é de depressão ou não. Além disso, convém ter em atenção que grande parte das depressões surgem como uma reacção a outro tipo de problema, muito frequentemente, do foro ansioso, pelo que este é mais um motivo para recorrer a um prossional de saúde mental, para se possa desenhar uma boa intervenção que lhe permita voltar a estar bem.

 

Tendo isto em atenção, e para sua comodidade, transcrevo abaixo, o que temos publicado na nossa página http://www.oficinadepsicologia.com/depressao.htm (encontrará muita mais informação nesta, tal como nas várias outras páginas do nosso website).

 

A Depressão tem sido uma das perturbações psicológicas mais discutida e avaliada devido à enorme quantidade de pessoas que afectou, afecta... e, não tenha dúvidas sobre o futuro, afectará! São uma em cada quatro pessoas que sofrem de depressão… dá que pensar, não é? Assim, é fácil fazermos contas e percebermos que existem pessoas que passam por situações como esta, com muito sofrimento, e sem perceberem que não se trata apenas de tristeza que persiste em ficar. É importante perceber que para além de tristeza prolongada e desinteresse, a pessoa deprimida fica sem vontade ou prazer em levar a cabo actividades que, anteriormente, considerava como agradáveis e sente-se sem energia ou com cansaço persistente. De uma forma geral, podemos encontrar queixas relacionadas com as funções vitais do seu organismo. Assim, dá-se normalmente uma modificação do apetite (falta ou excesso de apetite), as horas de sono também ficam alteradas (sonolência ou perda de sono) e o desejo sexual diminui gradualmente… atenção a estes sinais que são muito importantes! Ao mesmo tempo que todo o corpo começa a manifestar a presença da depressão, é frequente as pessoas deprimidas sentirem-se inúteis e sem valor, com a auto-estima muito diminuída, terem ideias relacionadas com a morte, sentirem-se incapazes de iniciar tarefas que desenvolviam com facilidade.

Se verificar que permanece mais de duas semanas com várias destas queixas a aborrecerem-no(a)… se calhar, este texto já o(a) está a ajudar a compreender que poderá estar a precisar de ajuda especializada.

Poderá considerar que já muitas pessoas sentiram algumas destas queixas ocasionalmente, sobretudo depois de terem passado por situações ou acontecimentos que as marcaram negativamente. Está correcto esse pensamento! No entanto, é fundamental estar atento à forma como estas queixas se podem tornar uma constante na sua vida, começando de forma gradual... Assim, ficou a saber que a depressão é diferente das mudanças de humor que todos temos pela permanência dos sintomas que a acompanham. As companhias indesejáveis que, por vezes, tem associadas são: a ansiedade e/ou perturbação de pânico.

E, se está a pensar que não tem idade nem tempo para ter depressão informamo-lo(a) desde já: a depressão não escolhe idades e pode durar desde alguns meses a alguns anos (infelizmente, com falta de tratamento adequado é bem possível que a situação se arraste indefinidamente)! De acordo com a sua duração divide-se em episódica, recorrente ou crónica. A importância do tratamento desta perturbação relaciona-se também com uma das suas consequências mais graves: o suicídio. Sabemos que morrem em Portugal, por ano, 1200 pessoas através de suicídio.

A depressão é mais comum nas mulheres do que nos homens: a Organização Mundial de Saúde, através de um estudo publicado em 2000 mostrou que 1,9 por cento dos homens tem episódios de depressão unipolar, enquanto nas mulheres o valor sobe para 3,2 por cento.

 

Sintomas frequentes de depressão

  • Humor depressivo durante a maior parte do dia, quase todos os dias
  • Diminuição de interesse ou prazer em quase todas as actividades
  • Perda de peso (sem dieta) ou aumento de peso significativo
  • Diminuição ou aumento do apetite quase todos os dias
  • Insónia ou hipersónia (necessidade de dormir muito) quase todos os dias
  • Inibição/lentidão de movimentos
  • Agitação
  • Náuseas, alterações gastro-intestinais
  • Fadiga ou perda de energia quase todos os dias
  • Sentimentos de desvalorização ou culpa excessiva quase todos os dias
  • Pensamentos recorrentes acerca da morte, ideias de suicídio ou tentativas de suicídio

Esperando ter-lhe sido útil, deixo-lhe um abraço carregado de votos de que volte a sentir-se bem rapidamente.

Madalena Lobo

Psicóloga Clínica

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:45



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D