Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




É difícil conviver com quem não está bem!

por oficinadepsicologia, em 07.11.10

Email recebido

Boa tarde.
Estive a ver vosso artigo e não consegui deixar de vos contactar.
Meu namorado está com uma depressão há mais de um ano. Está a ser seguido, mas apenas com medicação
O trabalho dele é muito stressante (e ainda trabalha em dois locais), apesar de não se sentir bem, nunca deixou de trabalhar, nem sequer umas férias tira.
Todo este tempo, compreendi que não estivesse bem e apoiei em tudo o que pude. Ultimamente até o fiz ver que há alguém que merece que se esforçe e lute. O filho. Pois notei que estava distante.
Há um mês, terminou comigo. Disse que estava confuso, que não se sentia preparado para uma relação a dois.
Será que o terminar da relação, é melhor? Tenho mesmo de o deixar em Paz?
Sinto-me muito mal. Sinto que deveria ter feito algo.
Por mais que o queira ajudar, agora não posso. Agora, já não dá.
A familia só soube que ele não estava bem, porque eu alertei um dos irmãos.
Mas dá-me a sensação que ele consegue fingir perante eles.
Ele fecha-se muito quando tem problemas e não fala.
Comigo, no inicio falava, mas depois também se fechou e só falava porque conhecia-o bem e puxava por ele.
Receio que o tenha prejudicado ainda mais.
Agora, quando fala comigo é só de trabalho e tenta manter sempre a distancia (um dos locais, é onde eu trabalho, só que em departamentos diferentes).
Sinto-me triste. Sinto-me desorientada. Sinto culpa.
Sem outro assunto
Obrigada
Resposta
Cara V.
Uma depressão representa sempre uma factura pesada para quem nos acompanha, partilha a vida connosco. Pelo que descreve, apercebo-me de algum sentimento de culpa da sua parte - é normal sentir-se assim, porque é a reacção da maior parte das pessoas que se encontram numa relação a dois com alguém que está a atravessar uma depressão. É a forma que temos de reagir a isso como se tivéssemos o poder e a obrigação de ser capazes de alterar esse estado. A questão é que raramente, se é que alguma vez, alguém que não seja um técnico de saúde mental no exercício das suas funções consegue mobilizar as ferramentas, intervenções e abordagens necessárias a que o outro retome o seu estado de equilíbrio.
A depressão não é apenas um estado de tristeza ou de desencanto com a vida; é algo de muito mais profundo, vasto e orgânico do que isso, pelo que requer acompanhamento psicoterapêutico e, por vezes, médico. Pelo que me conta, ajudou muito os eu namorado: esteve lá para ele, disponibilizou-se a escutá-lo e preveniu a família de que algo não estava bem. Dificilmente poderia ter feito melhor - agora, será ele que tem um caminho a percorrer, com apoio especializado, o que espero aconteça.
Quanto a si, sugiro que mantenha o seu olhar no caminho que se desenrola à sua frente, com tudo o que lhe possa trazer de entusiasmante, desafiante e luminoso.
Fique bem!
Madalena Lobo
Psicóloga Clínica

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:14



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D