Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Desenvolver comportamentos adaptados na criança

por oficinadepsicologia, em 25.04.11

Autora: Maria de Fátima Ferro

Psicóloga Clínica

 

  • Fátima Ferro
    Seja consistente nas regras, que quer implementar, recorrendo a recompensas positivas (elogio, recompensa efectiva, carinho, tempo de brincadeira com os pais, etc.) quando a criança têm o comportamento que deseja;
  • Dizer exactamente à criança o que se espera dela. Utilizar a expressão “porta-te bem” é demasiado vago para a criança, é preferível dizer concretamente o que quer que ela faça, ex: “Brincar com o irmão sem brigas”;
  • Após um comportamento que considere positivo a sua resposta positiva deverá ser imediata. Se a resposta positiva a um bom comportamento não for imediata a criança não vê a relação entre a recompensa e o comportamento e será ineficaz na sua manutenção;
  • As consequências devem ser significativas, as recompensas e punições têm de ser adequadas à criança. O que resulta com uma pode não resultar com outra. Os pais devem pensar no que agrada ou não agrada aos seus filhos;
  • Implique a criança na escolha da recompensa;
  • Seleccionar o comportamento que quer ver acontecer mais e usar com esse comportamento respostas positivas mais frequentes (atenção positiva, elogios, recompensas concretas, etc.);
  • O comportamento que quer implementar na criança não têm que ser perfeito para que ela mereça o elogio, elogiar o esforço despendido e as etapas da execução da tarefa;
  • Quando elogiar, elogie olhando para a criança, com sorrisos, e com entusiasmo;
  • Ser específico no elogio. Por vezes utilizamos palavras como: “És um lindo menino”, ou “Muito bem”, o uso destas palavras não diz à criança o que ela fez exactamente para merecer o elogio;
  • No inicio defina etapas curtas para o cumprir dos seus objectivos, depois vá aumentando o desafio gradualmente;
  • Espere pelo comportamento correcto para dar a recompensa;
  • Não tenha receio de que o elogio em excesso seja mau para a criança, tornando-a mimada ou presunçosa, ou que passe a depender tanto de reforços exteriores que os peça a toda a hora e precise cada vez mais deles. As crianças que são elogiadas interiorizam o reforço positivo e desenvolvem uma auto-estima positiva, sentem-se competentes, confiantes e parecem precisar menos de elogios.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:30



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D