Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Psico-somatização

por oficinadepsicologia, em 11.05.11

E-mail recebido

 

"Olá
Sou o P, sou de A actualmente a residir fora do país. Nunca tive nenhuma crise de ansiedade ate há dois anos atrás. Fui ao psiquiatra e ele logo me receitou fluoxetina e um outro medicamento para acalmar. Fiz tratamento durante dois anos e agora em Março voltei a ter uma crise bem forte. Durante este tempo sempre sinto que tenho algo na minha garganta tipo uma. O médico há dois anos disse-me que não tinha nada. Tenho feito analises também esta tudo normal, fiz uma endoscopia há duas semanas e deu tudo certo também, na sexta passada passei a noite acordado em desespero , mesmo em desespero sem saber o que fazer só pensando que tenho cancro e um sentimento tão desesperante que não sei o que fazer . Fui medico na sexta com a minha esposa , cheguei lá chorei mas chorei de desespero e não é fácil um homem de 35 anos chorar assim mas é o desespero de ter sempre na cabeça o pensamento que posso ter uma doença e sempre a pensar no cancro e na morte sei lá o que mais ... No meu trabalho passo 12 horas sozinho, sou segurança e tenho acesso à Internet, pelo que passo o tempo buscando sinais, sintomas, sei lá .... meus amigos, é desesperante! O médico acabou por me receitar fluoxetina 20 mg , e diazepam 2mg. Comecei a tomar sexta mas so agora e que parece que esta a começar a fazer efeito, tenho dormido mais .... apesar da minha esposa me dar todo o apoio, não consigo lidar com esta situacao .... "

 

 

Caro P,

 

Pela descrição que nos faz da sua situação, torna-se evidente que a ansiedade está a ter um impacto altamente destrutivo na sua qualidade de vida. A sua preocupação com a sua saúde parece estar, para além do mais, a contribuir fortemente para que se sinta ainda mais ansioso. A ansiedade manifesta-se no corpo, particularmente na tensão muscular. Esta está habitualmente presente nos ombros, pescoço e costas, sendo responsável por muitas dores, mas não só. É frequente fazer-se sentir noutras partes do corpo, nomeadamente na garganta. Por outro lado, a ansiedade ta,bém tem um efeito inibidor da produção de saliva, deixando frequentemente a boca e garganta com sensação de secura. A julgar pelo que nos diz, parece-me possível que a sensação que o aflige tanto na garganta possa ser o resultado da combinação destes dois factores. Dito assim, parece simples. Mas quem vive com essa sensação é que sabe o quão aflitiva se torna, e as coisas que nos passam pela cabeça quando a sentimos.

No meio do seu desespero vê-se levado a pesquisar mais sobre doenças. Este comportamento podia ser tranquilizante. Mas raramente o é... Normalmente apenas nos informa sobre mais sintomas aos quais estar atentos, e geralmente quem procura, encontra... Idealmente, pode ser importante refrear esse comportamento de pesquisa exaustiva de informação.

Em qualquer cenário, parece-me que será imperativo que procure ajuda especializada, que lhe forneça treino em exercícios de relaxamento (vitais para que reduza a tensão que sente) e o ajude a desenvolver estratégias para controlar os pensamentos assustadores que o invadem.

Caso lhe possamos ser úteis de qualquer outra forma, por favor não hesite em contactar-nos.

Um abraço,

Francisco de Soure

Oficina de Psicologia

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:26



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D