Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Como fazer para que um "não" seja um "não"!

por oficinadepsicologia, em 18.05.11

Autora: Inês Mota

Psicóloga Clínica

 

 

Inês Mota

 

Se por vezes fica com a sensação de que quando diz “Não”, não é ouvido ou percebido ficando a sentir-se ignorado ou desrespeitado, aqui fica o convite para experimentar uma fórmula normalmente eficaz.

Primeiro que tudo tente perceber se por vezes se sente inibido em afirmar o seu “Não”. Se sim, tente perceber quais as razões que o levam a ficar em dúvida e anote-as num papel. 

De facto, acontece por vezes que a nossa mente fabrica justificações como: “vou ser rejeitado”, “vou magoar o outro”, “vou pôr o outro em causa”, “sou egoísta”, quanto pensamos em exprimir o que pensamos, o que sentimos, como quando, por exemplo, pretendemos recusar um pedido indesejado ou expressar o desagrado relativamente à atitude de alguém.

Várias são as razões que nos levam a pensar automaticamente desta forma, de entre as quais, a nossa educação, mas sobretudo, mantenha-se firme e não se deixe cair nestas rasteiras, pois:

-Todos nós temos direito a pensar e a sentir de diferentes formas e a expressar o que sentimos e pensamos.

-Todos nós temos o direito de expressar a nossa liberdade de pensamento e afirmação ao mesmo tempo que respeitamos a liberdade, perspectiva, convicções e crenças daquele com o qual interagimos.

Vamos agora treinar:

Imagine uma situação em que se tenha sentido desrespeitado e experimente comunicar o seu desagrado:

Passo 1 )

Quando…  (descreva objectivamente o comportamento do outro), ex: quando me interrompes quando estou a trabalhar.

Passo 2)

Os efeitos são… ( descreva como é que o comportamento do outro afecta concretamente a sua vida ou sentimentos), ex: eu desconcentro-me, interrompo a minha tarefa e acabo por ser menos produtivo.

Passo 3)  

Eu preferia que …(descreva o que pretende), ex: me perguntasses primeiro se posso falar contigo naquele momento.

Pode também introduzir um passo intermédio “ Eu sinto…”, que clarifica para nós e para os outros quais são os nossos sentimentos e pode reduzir mal-entendidos acerca da natureza dos nossos sentimentos. Mas, descrever os nossos sentimentos pode ser inapropriado em determinadas situações (i.e. uma reunião de negócios).
Pode treinar primeiro com várias situações pelas quais tem passado, escrevendo num bloco as alternativas. Pode também treinar com um amigo. E depois aventure-se e afirme os seus nãos, respeitando-se a si e aos outros. 
Venha experimentar ao vivo esta e outras fórmulas eficazes no grupo Vencer a Ansiedade Social www.oficinadepsicologia.com.
Novo grupo psicoterapêutico a começar hoje, dia 18, às 19:30 - encontros semanais, 12 sessões.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:35



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D