Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O medo na criança

por oficinadepsicologia, em 30.05.11

Autora: Tânia da Cunha

Psicóloga Clínica

www.oficinadepsicologia.com

 

Tânia da Cunha

Algumas crianças aprendem a esconder os seus medos, para não desagradar aos pais, estes tendencialmente “desperdiçam muita energia explicando e desconsiderando” os medos das crianças. É de extrema importância falar dos medos e todos eles devem ser reconhecidos, aceites e respeitados.

 

Acontece com frequência a criança não conseguir assinalar correctamente aquilo que lhe provoca medo. Podem ser temidas situações específicas ou medos vagos e indiferenciados. Por vezes, um medo específico desaparece e surge outro a ocupar o seu lugar. Os medos podem resultar de uma variedade de situações traumáticas, bem como de uma sensação de fraqueza, impotência ou desprotecção.

 

A criança pode apresentar medo do futuro, do crescimento (comum quando os pais colocam grande ênfase no futuro transmitindo preocupação e ansiedade). Apesar de muitos medos serem baseados na fantasia, são ainda assim sentimentos reais de medo. Só quando olha os medos abertamente é que a criança pode arranjar força para enfrentar o mundo.

 

Os medos de algumas crianças transformam-se em fobias: crescem e chegam a assumir proporções tais que os esforços para evitar as coisas temidas interferem nas suas próprias vidas.

 

Deixam-se algumas ideias de intervenção daquele que é o trabalho do medo em psicoterapia:

  • Contactar com sentimentos não exprimidos relacionados com o medo específico é o primeiro passo da terapia; muitas vezes, a libertação de sentimentos e pensamentos ocultos promove a diminuição gradual do medo inicial;
  • É fundamental trabalhar com o medo “identificado”;
  • Podemos pedir à criança para desenhar o seu medo, a situação ou aquilo de que tem medo;
  • Com a caixa de areia encenar a situação que provoca o medo, utilizando peças de jogo ou bonecos;
  • Solicitar que dramatize as situações temidas e dos seus vários elementos;
  • Criação de histórias em banda desenhada;
  • Exercícios de relaxamento seguidos de fantasia dirigida;
  • Em todos os trabalhos é importante o terapeuta estar atento às manifestações corporais: mudanças de voz, alteração do ritmo respiratório, actividade corporal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:49



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D