Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Será da medicação?

por oficinadepsicologia, em 05.02.10

E-mail recebido

Bom dia

Há cerca de um ano comecei a ter sérios problemas de saúde, que me levaram ao hospital várias vezes. Numa ocasião, o INEM foi-me buscar a casa e diagnosticaram-me de imediato um enfarte, o que felizmente não se confirmou. Os sintomas eram comuns às várias situações por que passei, e consistiam numa súbida brusca de tensões, dores no corpo, dormência nos membros, tonturas fortes, coração acelerado, falta de ar, etc... Enfim , só coisas boas.
Depois de ter feito todos os exames que o médico me aconselhou (coração, rins, etc...) nada foi descoberto o que apontava para um problema psicológico.
O médico a quem recorri no inicio do problema receitou-me então Paroxetina (1 comprimido de manhã), Sedoxil (1/2 comprimido à noite) e Victan (em SOS).
Lá fui fazendo a medicação e aqueles "ataques" diminuiram de frequência e de intensidade, mas não me sentia bem. Dormia mal, andava irritado e sem paciência. Foram meses a fio. Recorri então a um psicólogo, e ainda fiz meia dúzia de consultas, mas acabei por desistir devido à falta de tempo e aos custos envolvidos.
Comecei há cerca de 2 meses a fazer o desmame da medicação, pensando que iria melhorar e actualmente estou a tomar 1 quarto de Paroxetina de manhã, dia sim, dia não e o Sedoxil deixei por completo. Tenho tomado o Victan com alguma frequência (tipo 2 a 3 vezes por semana) pois acho que estou a piorar. Não sei se serão sintomas de privação...
Durmo cerca de 4 horas por noite, acordando várias vezes com o coração acelerado, tonturas, fortes dores no topo da cabeça e grande ansiedade. Fico bastante tempo acordado com estes sintomas, acabando por adormecer para mais um curto e agitado sono seguido dos mesmos sintomas... isto dura há quase duas semanas, estou a chegar ao limite. Durante o dia por vezes surgem-me as mesmas complicações que tento disfarçar e lutar contra, mas não é fácil...
Acham que estes últimos sintomas serão próprios do desmame? Como os posso atenuar? Ou por outro lado, devo retomar a medicação?

Fico na expectativa dos V/ comentários e da V/ ajuda.


Obrigado.

 

Resposta:

 

Caro M.

Existem muitos dados que seriam importantes termos para conseguirmos organizar uma resposta mais completa, como a sua idade, linha de actividade ocupacional e ritmo de vida, se o desmame da medicação está a ser feito com o apoio de um psiquiatra ou se o tem feito sozinho, que tipo de exames médicos fez desde o início deste problema, etc.

Assim, vamos tentar responder-lhe o melhor possível, salientando que as nossas respostas não podem ser consideradas finais por carecerem de um diagnóstico aprofundado.

 

A situação que descreve é absolutamente concordante com sintomatologia de activação ansiosa e, uma formulação possível do facto de manter esta situação prende-se com dois aspectos simultâneos: por um lado, assustou-se (compreensivelmente) com a força do que sentiu há um ano, sem nunca ter encontrado uma explicação lógica para o facto. Esta situação, só por si, deve-o ter deixado num grande estado de alerta e ansiedade, temendo o que lhe poderia acontecer a seguir, criando-lhe uma sensação de insegurança e de falta de controlo sobre o que se estava a passar. Ou seja, uma reacção ansiosa (talvez derivada de stress na altura ou outro factor que para ela tivesse contribuído) provocou-lhe mais ansiedade, que reforçou e originou mais mal-estar que, num ciclo que se auto-reforça.

 

O outro aspecto que poderá estar a contribuir para esta situação pode ser o facto de não ter passado por uma situação efectivamente reparadora, correctiva, como o que se obtém num processo psicoterapêutico. A meia dúzia de sessões de que nos fala de pouco lhe terão servido por serem manifestamente insuficientes e, ainda que compreendamos as dificuldades relativas aos custos envolvidos (aliás, o projecto da Oficina de Psicologia surge precisamente por esse motivo, para dar resposta a situações idênticas à sua), já o tempo é uma questão de prioridades, o que nos leva a crer que não tenha ficado claro para si a importância ou a adequação do acompanhamento psicológico na sua situação.

 

Contrariamente à intervenção medicamentosa, o tratamento psicoterapêutico permite-lhe retirar sentido ao que se passa consigo, compreender e, logo, dominar racionalmente a sintomatologia física, que é o que de mais visível existe na ansiedade. Permite-lhe, ainda e sobretudo, aprender estratégias para auto-regular os picos ansiosos e conhecer a forma como o seu organismo reage, o que ajuda a tomar decisões no dia-a-dia, sobre pequenos (ou grandes) aspectos do seu estilo de vida. Finalmente, o tratamento psicoterapêutico desbloqueia processos internos que estão na origem ou mantêm este excesso de reactividade e que redunda, muitas vezes, em crises de pânico, assustadoras e desgastantes.

 

Aconselhamos vivamente que considere três questões:

  1. Se não estiver acompanhado por um psiquiatra neste momento, em que se encontra a fazer um desmame, por favor, procure um profissional que o possa apoiar. A medicação psicofarmacológica é potente, comporta diversos efeitos secundários, quer na sua introdução, quer na sua retirada, que apenas um médico psiquiatra poderá avaliar e gerir.
  2. Faça um check-up médico completo, eventualmente, procurando uma segunda opinião, para poder ficar descansado quanto a uma possível base orgânica (o funcionamento da tiróide deve ser verificado nesta análise médica)
  3. Procure um psicólogo que o possa acompanhar, preferencialmente da área cognitivo-comportamental, uma vez que é esta a abordagem que melhores provas tem dado no tratamento de perturbações ansiosas.

 

A reactividade ansiosa é muito perturbadora e desgastante e, a esmagadora maioria das pessoas que sofrem de hiperactivação ansiosa tem dificuldade em acreditar que não exista algo de muito grave, do ponto de vista médico, que a esteja a causar. E, no entanto, uma vez compreendidos os seus sintomas e a sua relação com a nossa vida do dia-a-dia e a nossa atitude perante o contexto que nos rodeia, torna-se evidente o que se está a passar connosco e, com a ajuda de pequenos exercícios e de pequenas intervenções emocionais, torna-se razoavelmente simples retomarmos um estado de equilíbrio e tranquilidade. Não há motivo para continuar a passar por esta situação, que se trata com elevadas taxas de eficácia, em contexto de acompanhamento psicológico – por favor, procure um psicólogo que o possa ajudar a voltar a ficar bem.

 

Esperamos ter ajudado.

Um abraço solidário,

Madalena Lobo

Psicóloga Clínica

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:01



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D