Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Como reagir aos amigos imaginários

por oficinadepsicologia, em 07.08.11

Autora: Maria de Fátima Ferro

Psicóloga Clínica e educacional

www.oficinadepsicologia.com

 

Maria de Fátima Ferro

Por volta dos 3 ou 4 anos, as crianças preferem brincar em conjunto em vez de o fazerem sozinhas. A amizade começa a ser compreendida como envolvendo o partilhar dos brinquedos ou das coisas dos outros.

 

É por volta desta altura que começam a aparecer os amigos imaginários indicando que a imaginação das crianças se está a desenvolver. Os próprios diálogos que as crianças mantêm com os amigos privados são preciosos e servem muitas vezes de ensaios para as relações existentes e o iniciar de novas. São um sinal de um desenvolvimento emocional e cognitivo saudável, e os pais não precisam de se preocupar, a não ser que a criança se isole demasiado, ou que ao longo do tempo ele não desapareça.

 

A capacidade de construir um mundo imaginário e pessoas imaginárias, de dar vida a um boneco é um indício de que elas se estão a desenvolver rapidamente e a testar os limites do seu mundo. Isto torna-se uma maneira de afastar os demónios que as cercam – a zanga, o ciúme, a mentira, o egoísmo, a colocar características suas no seu amigo, algumas vezes até quando tentam fugir à responsabilidade das suas maldades. etc.  Permitem às crianças descobrirem de modo seguro o que querem ser. Elas podem dominar esses amigos, controlá-los e à custa deles, serem boas ou más com toda a segurança.

 

 

Como reagir aos amigos imaginários:

Se os pais acharem que é necessário por termo aos amigos imaginários das crianças porque estes as mantêm demasiado isoladas de outras crianças poderão:

- Dizer-lhes que respeitam o seu amigo imaginário mas que gostariam que ela também tivesse outros amigos “verdadeiros” para brincar;

- Criar oportunidades para que os seus filhos arranjem, um ou dois companheiros regulares que tenham os mesmos interesses e que sejam parecidos em termos de carácter com eles. Não os forcem mas dêem-lhes possibilidades regulares de conhecerem outras crianças;

- Não as forcem porque isto poderá fazê-las sentirem-se inadaptadas e culpadas por não agradarem aos pais;

- Ajudem-nos a compreender a sua timidez e as razões porque não conseguem entrar facilmente para um grupo;

Quando o seu filho o conseguir reforce-o dizendo-lhe que reconhece como isso foi difícil e que está orgulhoso(a) dele(a).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:18



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D