Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O poder do aqui e agora!

por oficinadepsicologia, em 26.08.13

www.oficinadepsicologia.com

 

Facebook

 

 

É urgente apaixonar-se por cada momento do seu dia! É urgente sentir prazer em pequenos detalhes do seu dia!

Mas como é que isso se faz (poderá perguntar-se)?

 

Bem… Tentemos para já focar a sua atenção no momento presente. Já ouviu falar de Mindfulness?

Hum… Mindfulness é ter consciência de cada momento do presente, ou seja, do aqui e agora, é dirigir a atenção para aquilo que normalmente não dirigimos a atenção.

 

No fundo é termos contacto com o momento presente, com aquilo que está a acontecer no momento actual.

Quantas vezes desejou estar em contacto com o momento presente e não estar envolvido com lembranças ou até, com pensamentos sobre o futuro?

Quantas vezes desejou estar a aproveitar o momento presente sem estar envolvido em preocupações?

 

Lançamos-lhe um 1º pequeno desafio para experienciar o que é “estar no aqui e agora”. Comecemos logo de manhã, pelo momento do banho. Apaixone-se por esse momento, preste atenção aos pormenores:

- Permita-se a ouvir a água a correr;

- Permita-se a sentir se já está à temperatura ideal;

- Entre na Banheira/Poliban e aos poucos tome consciência do que o rodeia;

- Sinta a água a cair no seu corpo;

- Preste atenção às gotas de água a percorrerem o seu corpo;

- Permita-se a sentir a temperatura da água;

- Permita-se a ouvir o som da água a cair;

- É chegado o momento do gel de Banho;

- Permita-se a sentir o cheiro;

- Observe a sua aparência;

- Sinta a sua textura;

- Tome consciência do gel a hidratar e a perfumar o seu corpo;

- Preste atenção ao que acontece quando a água escorre pelo gel;

- Sinta o vapor da água a envolver-lhe o corpo, a tornar tudo menos nítido;

- Sinta a água a limpar a espuma;

- Sinta a suavidade com que desliza sobre si…

 

Repita estes passos também para o Shampoo e Disfrute!

 

Por último:

- Sinta a textura da toalha a envolver-lhe o corpo;

- Repare como seca a água;

- Sinta como é bom o cheirinho que ficou em si.

 

Faça deste pequeno momento, um enorme momento de prazer!

Seja Mindfulness! Coloque paixão em cada momento!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:30

A inevitabilidade das desconexões

por oficinadepsicologia, em 04.11.12

Autora: Isabel Policarpo

 

Psicóloga Clínica

 

www.oficinadepsicologia.com

 

Facebook

 

 

Isabel Policarpo

Todos nós precisamos de estabelecer laços e de estar ligados a outras pessoas. Diversos autores demonstraram que esta é aliás uma necessidade básica dos seres humanos, bem como de alguns animais. Mas apesar disso a ligação ao outro nem sempre é fácil, digam lá o que disserem.

 

De facto todos nós nos recordamos de inúmeros episódios, em que estavam reunidas as condições para que aquele fosse um “ momento único “e onde apesar de todos os preparativos e afinidades em comum, o momento simplesmente não aconteceu.

 

Os pontos de proximidade existentes entre nós e os nossos amigos e companheiros, levam-nos a esquecer com facilidade que afinal habitamos corpos distintos e que tivemos percursos e histórias de vida díspares, pelo que é natural que não só não pensemos nem olhemos para a vida exactamente da mesma forma, como as circunstâncias não tenham o mesmo impacto em cada um de nós.

 

Uma parte significativa do sofrimento que ocorre nas relações interpessoais, advém da sensação de desconexão, entendendo-se a desconexão como uma quebra no sentimento de reciprocidade – isto é quando o “nós”, dá lugar ao “eu” e ao “tu”. Algumas desconexões são óbvias como quando o nosso companheiro comete uma infidelidade, outras são menos evidentes, como quando no meio de uma conversa o nosso companheiro decide ir ver o programa de desporto ou simplesmente não reparou que tínhamos uma camisola nova vestida.

 

O Homem tende a evitar a dor e o desprazer, e muitas vezes sem consciência de que está a fazê-lo. Tendencialmente quando nos confrontamos com emoções que não nos agradam – como o medo, o ciúme, a raiva, a vergonha ou a perda— tendemos a retirar-nos emocionalmente e dirigir a nossa atenção para outro lugar. Mas negar o que sentimos ou projetar nos outros os nossos medos e culpas, impede, por um lado, o nosso desenvolvimento e crescimento pessoal e, por outro, conduz a bloqueios entre nós e as pessoas de quem queremos estar próximos.

 

A prática de mindfulness afigura-se como uma ferramenta importante para lidar com os momentos desagradáveis da vida e com as nossas desconexões. O mindfulness envolve a um tempo a consciência do momento presente e outro a aceitação dessa experiência, entendendo-se a aceitação não como um tolerar ou perdoar um comportamento eventualmente abusivo, mas como algo que é inevitável e que tem de ser enfrentado para poder ser compreendido e acomodado dentro de nós. No âmbito das relações isso significa, por exemplo, aceitar a inevitabilidade de desconexões dolorosas e de utilizar esses momentos como oportunidades para trabalhar emoções difíceis.

 

Todos nós temos sensibilidades e temas pessoais – uma espécie de "botões quentes", que são facilmente evocados nas nossas relações mais íntimas. A prática do mindfulness, da atenção plena ajuda-nos a identificá-los e a reagir a eles de forma diferente, permitindo-nos manter ligados às pessoas que nos são queridas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:30

Eu sou Mindful!

por oficinadepsicologia, em 12.09.11

No dia Mundial de Mindfulness, a Oficina de Psicologia, um dos principais dinamizadores em Portugal desta ferramenta terapêutica científica de última geração, não poderia deixar de assinalar a data de uma forma inovadora e contemporânea. Deixamos-lhe um pequeno vídeo da Flashmob que organizámos no Chiado.

 

 

 

Se não conseguir ver, clique aqui.

 

E, entretanto, quer vir aprender? Saiba tudo em Eu sou Mindful!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:37

Para maior consciência do momento presente

por oficinadepsicologia, em 02.08.11

Autor: Nuno Mendes Duarte

Psicólogo Clínico

www.oficinadepsicologia.com

 

Nuno Mendes Duarte

Mal acorde de manhã antes de sair da cama, traga a sua atenção para a sua respiração (pelo menos cinco respirações completas), deixando que a respiração se faça por si mesma.

 
·         Note a sua postura corporal durante o dia. Esteja consciente de como a sua mente e o seu corpo se sentem quando se movimente da posição deitado para posição em pé ou enquanto caminha. Note sempre que mudar de uma postura para a seguinte.
  • Quando ouvir um telemóvel tocar, um pássaro a cantar, o barulho de um carro que passa, um riso, uma buzina, uma porta a fechar ou qualquer outro som use-os para se lembrar de estar completamente no aqui-e-agora. Realmente escutando, estando presente e acordado.
  •   Durante o dia, tire alguns momentos para trazer a sua atenção para a sua respiração pelo menos cinco respirações completas.
  • Quando come ou bebe algo, tire um minuto e respire. Traga a sua atenção para o ver a sua comida, cheirar a sua comida, saborear a sua comida, mastigar a sua comida e engolir a sua comida.
  •      Foque atenção nas suas actividades diárias – lavar os dentes, secar o cabelo, tomar banho, vestir-se, etc… Utilize o mindfulness para cada actividade.
  •    Antes de ir dormir, tire alguns instantes e traga a sua atenção para a respiração (pelo menos cinco respirações)
·         Repare no seu corpo enquanto caminha ou está simplesmente de pé. Tire uns instantes para notar a sua postura. Tome atenção ao contacto do chão por baixo dos seus pés. Sinta o ar na sua face, pernas ou braços enquanto caminha. Está a acelerar para chegar ao próximo momento? Mesmo quando está com pressa, esteja com esse movimento apressado.
 
Quando vir que está à espera numa fila, use este tempo para notar a sua respiração e a sua postura. Traga a atenção à dilatação e contracção do seu abdómen enquanto respira. Estará a sentir-se impaciente?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:59

Esclerose múltipla e mindfulness

por oficinadepsicologia, em 07.11.10

Metade das pessoas que sofrem de esclerose múltipla apresentam-se, simultaneamente, deprimidas e uma em cada quatro tem um diagnóstico clínico de ansiedade. Cerca de 2/3 afirmam sentir-se fatigados, sendo que metade identifica a fadiga como o seu sintoma mais debilitante.

Investigadores do Hospital Universitario de Basileia seguiram a evolução de 150 pacientes que participaram num programa de mindfulness (para uma melhor explicação ver http://www.oficinadepsicologia.com/prevencao_stress.htm) ao longo de 8 semanas, baseado na prática de uma atenção não avaliativa ao que se desenrola no momento presente. Os resultados demonstraram a eficácia desta técnica, com os pacientes a apresentarem menores níveis de fadiga e depressão, bem como uma maior qualidade de vida, quando avaliados 6 meses após o programa de mindfulness.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:25

Experimente...

por oficinadepsicologia, em 25.05.10

Autor: Pedro Albuquerque

Psicólogo Clínico

 

"Às vezes, quando tenho conflitos com as pessoas, repito as conversas na minha cabeça. Penso no que foi dito e imaginando o que gostaria de dizer. Passo horas a pensar no mesmo. Fico farto! Como posso parar isto? "

Um dos principais problemas com a ruminação é que quando você pensa em acontecimentos negativos do passado ou do futuro está a criá-los para si mesmo no momento presente, o que lhe rouba a alegria de estar nesse momento.
Se numa determinada situação ficar preso nos seus pensamentos e já não conseguir encontrar uma mudança positiva para essa situação, então é hora de limpar a sua mente e parar de ruminar.

O Mindfulness é uma forma de se envolver totalmente numa actividade e não nos seus pensamentos.
Está especialmente indicado para pessoas muito ocupadas. Envolve o abrandar e o focalizar a atenção em algo específico, não implicando que você deixe de fazer a sua vida, tal como requerem outras técnicas de relaxamento.
O Mindfulness é especialmente indicado se você levar uma vida movimentada, na qual se torna difícil parar tudo o que está a fazer para ficar sem os pensamentos, tornando-se mais difícil limpar a sua mente.


Com o Mindfulness pode continuar a fazer o que estava a fazer e deixar os pensamentos surgirem na sua mente e partirem... sem se deixar ficar preso neles.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:43

Prepare a sua mente para o Verão

por oficinadepsicologia, em 21.05.10

Programa Experimente - LISBOA

Inicio 28 Maio às 19h00

 

Todos sabemos por experiência pessoal que a entrada da Primavera e do Verão trás um colorido emocional e de disposição diferente do período invernal. Os dias ficam mais luminosos, os aromas intensificam-se, tornam-se florais, suaves. A temperatura fica amena, e as roupas mais leves. Apetece-nos passear, desfrutar do sol.

Contudo, temos consciência que muitas vezes carregamos o stress, a ansiedade e as dificuldades relacionais para esses momentos que se aproximam, o que nos leva a não viver o que realmente se está a passar no decurso da vida, momento a momento.

 

 

"O Mindfulness tem sido descrito como uma consciência intencional focalizada " uma maneira de prestar atenção sem julgamento e com sentido no momento presente. (Jon Kabbat Zinn)

Logo à partida, parece que falamos de uma capacidade muito simples e nada aplicável à vida dia-a-dia. Mas rapidamente percebemos que quando tentamos focar a nossa mente em alguma coisa, a nossa mente começa logo a controlar-nos, o que nos leva muitas vezes a viver no passado ou no futuro. Os pensamentos surgem sem controlo, e saltam de uns para outros.

 

Com Mindfulness, passamos a ter uma maior consciência do momento presente, uma maior estabilidade mental e a desenvolver a capacidade de responder de forma adequada, criativa e com abertura às oportunidades que nos surgem. Isto é muito valioso para a vida emocional, relacional e laboral.


Podemos aprender a controlar a nossa mente, em vez de sermos controlados por ela.

 

A Oficina de Psicologia em Lisboa é pioneira em implementar e promover o Mindfulness nos serviços de saúde e nas organizações.

 

De entre os maiores benefícios do Mindfulness encontra-se:

  • Maior capacidade de gerir o stress
  • Comunicação mais clara e mais eficaz
  • Melhoria da capacidade para resolver conflitos
  • Melhor relacionamento interpessoal
  • Aumento da criatividade
  • Maior estabilidade durante períodos de mudança

 

Pelo facto de nos centrarmos no momento presente, podemos:

  • Parar padrões habituais de pensamento
  • Ter maior clareza sobre nós mesmos, dos outros e do nosso meio
  • Ter uma melhor compreensão das situações complexas
  • Escolher a resposta mais eficaz e soluções mais apropriadas

 

Quem deve participar:

  • Indivíduos e grupos que estão a passar por altos níveis de stress
  • Indivíduos que querem ser mais eficazes na sua comunicação interpessoal e reduzir conflitos interpessoais
  • Indivíduos que desejam maior clareza e criatividade

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:58

O stress e o olfacto

por oficinadepsicologia, em 22.02.10

Autor: Nuno Mendes Duarte

Psicólogo Clínico

 

Se parou nesta página de internet, neste momento, para ler este texto, digo-lhe desde já que por estranho que pareça vai começar a dar mais atenção aos cheiros à sua volta… a partir de agora. Isso, inspire… expire… volte a inspirar, verifique bem os diferentes aromas à sua volta. Sim, esse que lhe parece desagradável também. Mas, observe que ao inspirar novamente aparece um outro mais agradável.

Se sofre de stress ou ansiedade saiba que a ciência que se debruça sobre o mundo dos cinco sentidos está a descobrir situações fantásticas! Um grupo de investigadores no Japão apresentou a primeira evidência científica de que inalar certos aromas pode reduzir os níveis de stress das pessoas.  

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:03

Focalizar a atenção num único objecto

por oficinadepsicologia, em 15.01.10

Autor: Pedro Albuquerque

Psicólogo Clínico

 

Este é o segundo exercício que o irá ajudar a concentrar melhor no momento presente. Lembre-se que uma das maiores armadilhas da distracção é que a nossa mente vagueia de uma coisa para a seguinte, de um pensamento para o seguinte. Como resultado, frequentemente encontramo-nos perdidos e frustrados. Este exercício irá ajudá-lo a focalizar a sua atenção num único objecto. O propósito deste exercício é ajudar a treinar o “músculo mental”. Isto significa que irá aprender a manter o foco da atenção no que está a observar. E com a prática, irá tornar-se melhor a focalizar a sua atenção naquilo que é mais importante para si.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:04

Viver em piloto automático

por oficinadepsicologia, em 15.01.10

Autor: Pedro Albuquerque

Psicólogo Clínico

 

Algumas pessoas experienciam espontaneamente alguns momentos em que estão completamente envolvidos com a experiência do momento presente sem serem apanhados pelas formulações ou conceitos acerca dessa experiência.

No entanto, para muitos a forma de lidar com a experiência que se encontra no momento presente é caracterizada por uma espécie de nevoeiro de preocupações acerca de acontecimentos futuros, ou de ruminações acerca de acontecimentos passados, ou mesmo de formulações acerca de Si, dos Outros e dos acontecimentos.

O racional que a prática do Mindfulness confere é o permitir que a pessoa se desligue intencionalmente do piloto automático e dos seus associados processos de pensamento, e que traga a atenção para a actualidade do momento presente, abrindo desta forma a possibilidade a respostas mais esclarecidas para uma determinada situação.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:35


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D