Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Quando a timidez é demais

por oficinadepsicologia, em 01.05.13

Autora: Vera Lisa Barroso

 

Psicóloga Clínica

 

www.oficinadepsicologia.com

 

Facebook

 

Vera Lisa Barroso

A timidez só por si não representa um  problema grave, uma vez que quase todos nós podemos ter algum traço inibitório (rubor, vergonha, insegurança) em determinadas circunstâncias, sobretudo as de exposição social.

 

Mas há um grau realmente perturbador nestas manifestações... quando existe um sofrimento tão acentuado que provoca limitações, chegando à chamada fobia social - esta sim tem características patológicas e é conveniente procurar a ajuda de um profissional. Aquilo que acontece muitas vezes é que os tímidos procuram ajuda só em limite extremo, quando estão já em sofrimento muito elevado. Por isso, enquanto pai, aprenda a distinguir os sinais.

 


Sinais de alerta: pessoas tímidas são retráidas, têm medo de se êxpor em situações sociais, apresentam comportamento inibido, são muito sensíveis a críticas, acham que serão alvo de avaliação negativa e não é raro que abusem de bebidas e outras drogas, geralmente com o objectivo de ganhar coragem para as situações temidas! Assim, quando antes dos 5 anos a criança já mostra sinais muito fortes de que é tímida, os pais devem ficar atentos.

 


A timidez excessiva tem consequências: fisicas (boca seca, taquicardia, rubor nas faces, dor de cabeça, dor de barriga e suor excessivo); comportamentais (a pessoa fala pouco, tem gestos pouco expressivos, desvia o olhar facilmente, apresenta hesitação em falar e pode muitas vezes acompanhar o discurso com movimentos corporais involuntários); psicológicas (pensamentos recorrentes de que estão a ser avaliados, de que ninguém tem interesse por aquilo que dizem, de que todos os outros fariam melhor que ele) e emocional (sentimentos de insegurança, vergonha, medo, comparação e inferioridade - a timidez pode estar muito relacionada com a baixa auto-estima).

 


Em termos sociais, isto não significa que a criança tímida seja pouco sociável. Muitas delas têm grande vontade de estar com outras crianças, mas evitam porque têm receio de errar e estragar as suas amizades.

 


Existem muitas situações que podem contribuir para as crianças se tornarem mais tímidas: mudanças frequentes de escola, separação dos pais, pais rígidos ou perfeccionistas e um ambiente familiar que não favoreça o contacto social.

 


A fobia social tem variações: pode ocorrer em situações específicas ou em situações generalizadas. Para entender melhor a fobia social é importante associa-la à timidez e compreender que se trata de um problema de ansiedade e a ansiedade pode tornar-se patológica quando começa a afectar o funcionamento do nosso corpo. Não espere demais...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:03

Autora: Vera Lisa Barroso

 

Psicóloga Clínica

 

www.oficinadepsicologia.com

 

Facebook

 

Vera Lisa Barroso

O relacionamento com os pais é determinante para lidar com emoções negativas.  Por exemplo, a capacidade dos casais resolverem os seus conflitos pode estar ligada ao tipo de relacionamento que cada uma das partes teve com os pais durante a infância, revela um estudo realizado por psicólogos da Universidade de Minnesota, nos EUA.

 


De acordo com o artigo publicado na revista "Psychological Science", quanto melhor o relacionamento com o pai e a mãe durante a infância, mais as pessoas conseguem superar discussões na idade adulta.
 Uma equipa de investigadores acompanhou um grupo de crianças de 12 a 18 meses nascidas nos anos 70. Duas décadas depois, avaliaram a forma como estes indíviduos resolviam os conflitos nos seus relacionamentos e verificaram quais os assuntos que para eles eram mais sensíveis.

 


Constataram então que aqueles que tiveram boas relações com os pais durante a infância se mostraram melhores na resolução de conflitos na fase adulta, visto que os progenitores ajudam a regular as emoções negativas das crianças. Desta forma elas crescem mais capazes de regular as suas próprias emoções após um desentendimento ou uma discussão.

 


De acordo com os psicólogos, mesmo aqueles que tiveram uma infância insegura podem aprender a resolver conflitos com um parceiro emocionalmente mais equilibrado. Jessica Salvatore, uma das autoras do estudo, sublinhou que "se uma pessoa puder guiar o processo de superação de um conflito, torna-se capaz de ajudar o companheiro e melhorar o relacionamento".  

 


Com o objectivo de encontrar relação entre o estado de saúde e os nível de felicidade e se as pessoas felizes são mais ou menos propensas a problemas de saúde, a instituição espanhola Instituto Coca-Cola da Felicidade e a Universidade Complutense de Madrid realizaram um estudo que confirma a relação entre bem-estar psicológico e saúde.

 


Dirigido pelo professor Carmelo Vázquez, o estudo conclui que perante um problema de saúde, as pessoas mais felizes sentem-se mais saudáveis do que as pessoas infelizes. A família e os amigos são outros factores que ajudam ao bem-estar.

 


As conclusões do estudo estão publicadas no quarto relatório «A Felicidade e a Percepção da Saúde» («La felicidad y la percepción de la salud», no original). O estudo foi feito através de três mil entrevistas a cidadãos espanhóis entre 18 e 65 anos. Percebeu-se que, perante um problema de saúde, as pessoas mais felizes sentem-se mais saudáveis do que as infelizes.

 


A sensação de saúde, segundo a investigação, está relacionada com a felicidade e esta com os afectos. “Um aspecto muito relevante é a influência da família e dos amigos no processo, já que os que se sentem acompanhados sentem-se também mais saudáveis do que os que têm menos apoio”. Isto significa que as pessoas doentes podem sentir-se mais saudáveis do que as outras, independentemente da gravidade da doença. “O apoio social fomenta a felicidade”, assegura Gonzalo Hervás, médico e co-autor do estudo.

 


Na verdade, os problemas físicos acabam por ser menos importantes do que os psicológicos quando se avalia a satisfação com a vida. A depressão, os problemas de concentração, o stress e a ansiedade são os principais problemas que aparecem com a insatisfação.

 


O relatório estabelece uma cadeia de conclusões. As boas relações sociais tornam-nos mais optimistas, o optimismo faz-nos mais felizes e a felicidade faz-nos sentir mais saudáveis.
 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:02


Mais sobre mim

foto do autor


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D