Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Encruzilhada

por oficinadepsicologia, em 07.09.11

E-mail recebido

 

"Boa tarde,

 

Acabo de ler o artigo "Algo diferente na realização de objectivos" de Irina António e o mesmo deu-me coragem para vos escrever sobre algo que me atormenta e não sei como resolver.

 

Actualmente encontro-me a viver uma fase da minha vida muito complicada. Uma fase de grande indefinição, de insegurança e até revolta comigo mesma, pois sei que antes não era assim. Sei o que não quero mas não sei o quero. Actualmente não me sinto realizada profissionalmente e quero muito mudar de actividade mas não consigo pensar em nada como alternativa. Se hoje acordo e quero ser médica, amanhã posso acordar e afinal sentir que quero ser produtora de moda. Isto leva a que nunca saia do mesmo sítio causando-me muita ansiedade, e vá vendo o tempo e a vida a passar à espera de um milagre.

 

Será isto o quê? Falta de identidade ou autoconhecimento? Bloqueios emocionais? stress pós-traumático?

 

O que me aconselham? Existe alguma terapia para estes casos? Preciso urgentemente de me redescobrir e ver o caminho que devo seguir.

 

Gratos cumprimentos,

 

MJ"

 

 

Cara M

 

Antes de mais, deixa-nos muito contentes que um texto que encontrou aqui lhe tenha dado alento para procurar ajuda. Pelo que nos descreve, parece encontrar-se numa encruzilhada. Quando passamos anos da nossa vida a investir num projecto de carreira, ou nos lançamos numa determinada área profissional, fazemo-lo cheios de esperança. Esperança de ter sucesso, esperança de ver os nossos sonhos realizados, esperança que o nosso trabalho dê um contributo significativo para a nossa felicidade. Quando isso não acontece, ficamos em mãos com uma decisão muito difícil: ficar presos a uma realidade que não nos satisfaz, ou partir para outra? Como ganhar coragem para assumir uma decisão,  se não temos a certeza que o que nos aguarda nos fará felizes? E se voltarmos a fazer uma escolha que nos deixe infelizes? Presos nesta espécie de limbo, ficamos agarrados à insatisfação que se acumula na situação actual, ao mesmo tempo que nos vamos castigando pela nossa incapacidade de pôr em marcha mudanças. Pergunta-nos o que é isto. Isto parece-me ser uma crise de vida, característica dos tempos que correm, e que a leva a pôr em causa muito na sua vida. Sair do lugar desconfortável em que se encontra passará por aprender a gerir a ansiedade que a actual situação lhe provoca, ao mesmo tempo que se cria um espaço para fazer uma gestão adequada dos processos de mudança que quer implementar. É muito frequente trabalhar com pedidos deste género em contexto de psicoterapia. Espero que esta resposta a tenha ajudado. Caso a possamos ajudar de mais alguma forma, por favor não hesite em contactar-nos.

Um abraço,

 

Francisco de Soure

Oficina de Psicologia

 


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:15


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D