Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Agora não... estou STRESSADO!!!!

por oficinadepsicologia, em 25.10.11

Autora: Ana Crespim

Psicóloga Clínica

www.oficinadepsicologia.com

 

 

Ana Crespim

 

“Agora não… Estou STRESSADO!!!”

Por vezes, bem que nos apetecia dizer isto… Sobretudo quando sentimos que já temos o “mundo às costas” e o patrão vem pedir mais qualquer coisa, que seria para entregar, nada mais, nada menos, do que ontem!!! O problema é que, muitas vezes, ficamos a lamentar-nos para dentro ou numa ladainha que esperamos que ninguém perceba, porque sabemos bem o que podemos ou não dizer a quem nos paga ao final do mês.

Já que muitas vezes não podemos “fazer o gosto ao dente” e “dizer o que nos vai na alma”, há que pensar em formas alternativas de fazer face ao que parece ser um verdadeiro consumidor da energia diária: o STRESS.

 

Muito tem sido dito acerca deste conceito, mas, na realidade, o que é o stress? É algo que é normal, que tem que existir, ou será que nos coloca num risco sério? Aqui as respostas não são, de todo, “chapa 5”. Eu diria que “diga-me o seu nível de stress e dir-lhe-ei que risco corre”. Sendo o stress um estado emocional desagradável, que nos pode levar a adoecer, física e mentalmente, e considerando que o stress tem fundamento se estamos perante um risco iminente para o nosso organismo, o que dizer se estamos sempre stressados? Será que estamos sempre em risco ou algo de errado se passa? Muitas vezes, por vivermos situações repetidas de stress, sem sabermos quais os mecanismos que podemos acionar para lhe fazer frente, os sintomas vão-se instalando, ganhando contornos de cronicidade.

 

A questão é que cada caso é um caso e deve ser contextualizado na realidade do quotidiano.

 

Assim, apesar de existirem algumas manifestações que podem ser apontadas como sintomas de stress – irritação, cansaço extremo, dores musculares, perturbações do sono e apetite, entre outras – é importante que o seu caso seja contemplado num todo, de modo a perceber as variações pessoais que podem estar presentes.

 

Pois é, o primeiro passo é mesmo o de ouvir o seu corpo, dar espaço para sentir o que evita habitualmente sentir, procurando apurar qual o seu nível de stress para puder passar para a fase seguinte: o combate ao stress!

 

Se pretende saber mais sobre o seu nível de stress, participe no nosso webinar (uma conversa pela internet, num ambiente informal de troca de experiências). Para tal, basta seguir o link: http://oficinadepsicologia.com/loja/shop/nivel-stress/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:02



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D