Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Música e bem-estar

por oficinadepsicologia, em 26.12.11

Autor: António Norton

Psicólogo Clínico

www.oficinadepsicologia.com

Facebook

 

 

António Norton

 

O que nos leva a nos sentirmos bem quando ouvimos música?
 
O nosso complexo e maravilhoso cérebro está equipado desde que nascemos para entender e processar a música.

 
Porque razão assim é?
 
A compreensão da música e a sua necessidade sempre foi um mistério, uma vez que não é fundamental para a nossa sobrevivência. As necessidades básicas são sexo, comer e dormir. Quando preenchemos estas necessidades o nosso cérebro liberta dopamina. A dopamina é o neuroquímico envolvido na experiência do prazer e da recompensa.
De igual forma, quando ouvimos música este químico é libertado.

Em 2011, foi realizado um estudo na Universidade de McGill no Canadá. O estudo teve o seu inicio com 217 participantes que acabaram por ficar reduzidos a 8. Todos estes sujeitos respondiam da mesma forma sempre que ouviam música, independentemente do ruido exterior.
Para realizarem este estudo, os investigadores recorreram à tecnologia do PET scanning (tomografia de emissão de positrões) e ao fMRI (Técnica de Imagem de Ressonância Magnética), com o objectivo de analisar o cérebro dos 8 participantes enquanto ouviam música durante três sessões. Era também pedido para os participantes preencherem um questionário, no qual, avaliavam quantitativamente quão prazeirosa tinha sido a experiência musical.
O PET scanning revelou que a dopamina era libertada no corpo estriado durante momentos de intensidade emocional que surgiam durante a audição musical. A técnica de fMRI, por sua vez, mostrou uma diferença distinta entre timing e estruturas envolvidas. O núcleo caudado estava activo, quando antecipava a activação emocional e o núcleo accubens ficava mais activo quando a intensidade emocional era efectivamente experiênciada.
Portanto, quando antecipamos e depois fruimos da experiência intensa da música o nosso cérebro reage diferentemente para libertar a Dopamina.

 
O que é que isto significa?
 
Do ponto de vista académico este é um estudo fascinante. Podemos estar perante o primeiro estudo que prova a libertação de dopamina como efeito de recompensa de prazer quando se dá a realização de uma actividade não fundamental para a sobrevivência como o é a fruição da música.
 
Sempre se pensou que as recompensas provenientes das actividadades não fundamentais para a sobrevivência fosse muito mais de natureza cognitiva, ligadas ao pensamento, à auto-estima e à identidade. Este estudo revela, de alguma forma, a importância evolutiva da experiência musical. Existem circuitos e caminhos neuronais antigos envolvidos na fruição musical. O nosso cérebro está preparado para tal experiência e reage evolutivamente sinalizando estados de prazer no organismo, através da libertação da dopamina e da reacção selectiva de diferentes partes do cérebro.
 
Este estudo leva-nos efectivamente a pensar na ligação entre o corpo e a mente e na importância evolutiva da música.
 
Portanto quando ouve música dá prazer a sí próprio! E felizmente cada vez é mais fácil poder ouvir música, onde quiser e como quiser.
 
Lembre-se disso e boa música!!
 

 
Referencia:

Salimpoor, V.N., Benovoy, M., Larcher, K., Dagher, A. & Zatorre, R.J. (2011). Anatomically distinct dopamine release during anticipating and experience of peak emotion to music. Nature Neuroscience

publicado às 18:05



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D