Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Vantagens dos grupos terapêuticos

por oficinadepsicologia, em 12.01.12

Autor: António Norton

Psicólogo Clínico

www.oficinadepsicologia.com

Facebook

 

António Norton
Quais as vantagens dos grupos terapêuticos?
Já alguma vez sentiu-se estranho, diferente de todos, a pensar que tem um problema único?
Talvez a solução seja integrar um grupo terapêutico.
Existem várias vantagens em integrar grupos terapêuticos. Aqui ficam as mais importantes. 
Uma das principais vantagens é a possibilidade de receber suporte e encorajamento dos outros membros do grupo. Quando está num grupo terapêutico é reconfortante saber que existem outras pessoas que também têm o seu problema, as suas dúvidas, os seus medos, os seus receios, que, por vezes, tanto o podem assustar e fazer sentir-se estranho e anormal. Acima de tudo, num grupo terapêutico sentir-se-à menos sozinho e muito mais acompanhado.  
Os elementos pertencentes a um grupo terapêutico podem funcionar como modelos para os outros membros. Num grupo terapêutico todos os elementos aprendem e crescem uns com os outros. Quando vê alguém que começa a saber lidar com a sua perturbação, a evoluir, a descobrir formas de superar os seus problemas e os seus desafios, percebe que também para si existe esperança e percebe que a recuperação é possível. Quando alguém evolui essa pessoa serve como um modelo e uma figura de suporte para os outros elementos. O sucesso do outro ajuda a catalisar sentimentos de realização pessoal. 
Outra das grandes vantagens dos grupos terapêuticos é a de oferecer um espaço controlado, seguro e terapêutico, onde poderá ensaiar vários comportamentos que dificilmente poria em prática em contextos sociais que se tornaram aversivos para si. 
Como vê existem muitas vantagens em integrar um grupo terapêutico. 
A equipa da Oficina de Psicologia sempre preocupada com o seu bem-estar psicológico abre novamente grupos terapêuticos.
Tome nota: A primeira edição dos grupos terapêuticos de 2012 tem inicio já a 23 de Janeiro.
Não hesite e inscreva-se.

 

Referencias:

1Dies, R.R. (1993). Research on group psychotherapy: Overview and clinical applications. In Anne Alonso & Hillel I. Swiller (Eds.), Group therapy in clinical practice. Washington, DC: American Psychiatric Press.

2Manor, O. (1994). Group psychotherapy. In Petrūska Clarkson & Michael Pokorny (Eds.), The handbook of psychotherapy. New York, NY: Routledge.

3Yalom, I. D., & Lesczc, M. (2005). The theory and practice of group psychotherapy. New York, NY: Basic Books

4McDermut W et al. (2001) The Efficacy of Group Psychotherapy for Depression: A Meta-analysis and Review of the Empirical Research. Clinical Psychology: Science and Practice, 8, 98-116

publicado às 11:15



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D