Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Autor: Gustavo Pedrosa

Psicólogo Clínico

www.oficinadepsicologia.com

Facebook

 

Gustavo Pedrosa

Nas famílias actuais, o stress laboral (relativo ao emprego) é um factor de particular importância. Um cônjuge apoiante, é sem dúvida um elemento de grande estabilidade no casal, mas, e quando ambos os cônjuges estão expostos a este stress?

 

O stress laboral tem impacto em todo o sistema familiar, resultando numa das principais causas de divórcios. No actual contexto social, com ambos os cônjuges empregados e submetidos a uma elevada exigência laboral, é importante perceber o efeito desse factor no sistema familiar.

O bem estar resultante de cônjuges apoiantes pode ser perceptível na vivencia familiar e, também, no emprego. Num estudo conduzido por Wayne Hochwarter, da Universidade Estadual da Flórida - College of Business, foi possível verificar a importância do apoio do cônjuge, independentemente do tipo de emprego e da sua  exigência laboral.

 

No estudo identificou-se que os casais que relataram altos níveis de stress, mas com um apoio conjugal forte, em comparação com casais com elevado stress, sem esse apoio, demonstraram os seguintes benefícios no sistema familiar:

  • Melhores índices de satisfação com o casamento (incremento de 50%);
  • Menor sentimento de culpa associada a negligência familiar ou doméstica (redução até 30%);
  • Probabilidade 30% menor de criticar a família (cônjuge, filhos);
  • Maiores índices de satisfação com a quantidade de tempo passado com os filhos (mais 25%);

Também ao nível laboral foi possível identificar os seguintes benefícios:

  • Maior probabilidade de relações positivas com colegas de trabalho (aumento de 33%);
  • Maiores níveis de concentração no trabalho (mais de 25%);
  • Menor probabilidade de se sentir cansado após o trabalho (redução descrita de 25%);
  • Melhor percepção da progressão das suas carreiras (melhoria de 20%), e
  • Níveis de satisfação no trabalho 20% mais elevados.

 

 

A incapacidade de criar um suporte conjugal para lidar com o stress laboral resulta num retorno ao local de trabalho com uma agitação ainda maior. Esse apoio, deverá ser criado por ambos os cônjuges, para que algumas tentativas de apoio não possam sair frustradas, piorando a situação.

 

Foram identificados alguns dos factores que distinguem o apoio favorável, do apoio desfavorável. O apoio favorável tem um impacto profundo e de longa duração, com várias características, que incluíam:

  • Ter consciência das exigências do trabalho diário do cônjuge (isto é, pressões de tempo, falta de recursos, prazos e supervisores).
  • Compreender que a comunicação é possível, independentemente das circunstâncias.
  • Reconhecer que o afastamento ou a agressividade não são comportamentos funcionais para obter ajuda.  Na verdade, tendem a piorar a comunicação, resultando no distanciamento e agressividade do cônjuge.
  • Ser capaz de equilibrar emocionalmente o cônjuge – alegrá-lo quando está deprimido e acalmá-lo quando está excessivamente agitado.
  • No ambiente familiar, não queixar-se sobre acontecimentos pouco relevantes do trabalho.
  • Não criar uma “competição” de quem teve o dia pior.
  • Ser racional e não conotar automaticamente o cônjuge como o “mau da fita".
  • Não manter um registo do que se dá e do que se recebe do cônjuge.
  • Não ter uma atitude exigente.

Quando ambos estão stressados do trabalho, devem manter-se os recursos mentais e emocionais necessários para ajudar o cônjuge. Nos casais bem sucedidos, os cônjuges conseguem lidar com o seu próprio stress, e quase sempre mantêm de reserva um fornecimento de suporte, para ser aproveitado em dias particularmente exigentes.

 

Os homens e as mulheres diferem nos comportamentos de apoio preferidos. Em geral, as esposas apreciam ser ajudadas nas tarefas domésticas; sentirem-se apreciadas, e receber manifestações de carinho e afecto. Os maridos, por sua vez, são mais propensos a responder positivamente às ofertas de ajuda, e a sentirem-se apreciados e necessários. No entanto, ambos apreciam a ajuda do cônjuge em conseguir algum tempo afastado do trabalho e dos problemas familiares, para simplesmente descansar e recarregar baterias.

Em qualquer relação, quando o stress está presente tem o potencial de unir ou de separar as pessoas. O estudo referido demonstra esta informação no que respeita ao stress laboral. É também evidente o papel fundamental da comunicação e da confiança entre os cônjuges, de forma a criarem uma base de relacionamento mais estável.

 

 

Hochwarter, W. (2012) “In Sickness and in Health: Importance of Supportive Spouses in Coping With Work-Related Stress“. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:42



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D