Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Coerência

por oficinadepsicologia, em 14.03.12

Autora. Filipa Cristóvão

Psicóloga Clínica

www.oficinadepsicologia.com

Facebook

 

Filipa Cristóvão

Enquanto pensava em factores que poderão contribuir para uma maior prevenção de saúde mental e promoção de bem-estar, ocorreu-me que na verdade uma pequena palavra podia bem englobar tanto: Coerência.

E essa mesma atitude que pode ser definida aqui como a capacidade de agir de forma estruturada, com compreensão, e previsível perante as situações pode ter inúmeras aplicações:

  • Coerência na educação das crianças: Inúmeros estudos têm revelado como a consistência nos actos educativos são preditivos de um crescimento saudável. Ou seja, as crianças precisam de estrutura com alguma previsibilidade. Se a criança faz um erro e leva um castigo por isso, no dia seguinte perante o mesmo erro não pode levar um chupa. Sem perceber a ligação de acto/consequência, os padrões aleatórios tornam-se altamente ansiogénicos para uma criança que está a construir o seu mundo interno. Mais ainda, é extremamente importante a coerência entre o que se diz e o que se faz, a coerência entre os conteúdos que transmitem os distintos adultos no ambiente da criança, e a consistência nas mensagens através do tempo.

 

  • Sentido interno de coerência – Trata-se de um conceito desenvolvido por Antonovsky define a capacidade com a qual o indivíduo com um persistente e dinâmico sentimento de confiança encara os estímulos emanados dos meios internos ou externo de uma existência como estruturados, previsíveis e explicáveis; que o individuo tem ao seu alcance recursos para satisfazer as exigências colocadas por esses estímulos; que essas exigências são desafios capazes de catalisar o investimento e o empenho do individuo.

Esta capacidade de experimentar um sentido de coerência está também relacionada com a sensação de bem-estar subjectivo.

 

  • Coerência cardíaca - Até o nosso corpo aprecia alguma coerência. Investigadores do Hearthmath Institute demonstraram que o facto de se evocar uma emoção positiva ou focar a atenção numa sensação bem-estar, devido a uma recordação ou mesmo a uma cena imaginada induz muito rapidamente uma transição da variabilidade cardíaca para uma fase de coerência. Quando estamos centrados em pensamentos negativos, preocupações, estados de stress, diminui a coerência cardíaca, i.e, a variabilidade do ritmo cardíaco entre dois batimentos torna-se “caótica”. A coerência cardíaca influencia o cérebro emocional pois ao dar-lhe estabilidade, indica que fisiologicamente tudo está a funcionar normalmente. O cérebro emocional retribui reforçando a coerência do coração. Este efeito entre o coração e o cérebro estabiliza o sistema nervoso autónomo. Este equilíbrio traduz-se na saúde do corpo em geral pois confere uma sensação de auto-confiança para enfrentar os desafios, ajuda a controlar o stress, a tensão arterial, previne a perda de memória e a depressão, contribui para um aumento de concentração e imunidade.

 

 

Filipa Cristovão

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:17


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D