Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um tempo que ainda é tempo

por oficinadepsicologia, em 26.02.10

Email recebido

 

Boa tarde,

Tenho uma duvida. Tenho 41 anos e sou muito timida. Quero encontar uma relação amorosa realista, quer dizer, sem a fantasia do principe encantado. Já tive alguns relacionamentos que não deram certo, o ultimo no ano passado. Hoje estou sozinha. Gostaria de ter um filho para me sentir realizada. Começo a ficar desesperada, pois mesmo saindo para conviver, não consigo encontrar ninguém. Devo ter esperança ou devo desistir de tudo. A familia sempre foi um pouco distante, nunca ligou a esta dificuldade. Não tive apoio na adolescencia e inicio da idade adulta. Os anos foram passando e eis-me com 41 anos. Sei que há mulheres que conseguem ter uma relação séria nestas idades, mas já estou desesperada. Não quero ter uma depressão por causa disto. Por favor ajudem-me.
 
Resposta
 
Cara M.
O relógio tem a particularidade irritante de não parar mas, mesmo assim, conseguimos encontrar tempo nesse ritmo implacável, esticando-o até limites que aqueles que nos rodeiam dizem não ser possíveis! Não os oiça, porque a pressão raramente contribui com algo de bom e siga no caminho que as suas decisões traçaram, sem impaciência, que, por vezes, parece conspirar contra nós.
 
A nossa história de vida sensibiliza-nos para várias situações fazendo com que as vamos sentindo de formas mais agudas do que poderia ser de esperar - por exemplo, relata-nos ter sentido falta de apoio ao longo da vida, pelo que provavelmente estará a sentir a falta de um parceiro estável na sua vida como mais desesperante do que seria merecedor. Se conseguir voltar a acreditar - e não vejo porque não há-de retomar a esperança - seguramente encontrará soluções onde hoje encontra becos sem saída.
 
Sugiro-lhe que leia um pouco dos artigos que o Dr Hugo Santos tem vindo a escrever sobre a "descomplicação" dos afectos, e que pode encontrar nas nossas páginas em http://www.oficinadepsicologia.com/descomplicar_afectos_artigos.htm. Talvez encontre ideias e caminhos que lhe possam transmitir a confiança em si que parece andar um pouco escondida.
 
De todos nós, receba um voto de força e confiança. Fique bem!
Um abraço solidário,
Madalena Lobo
Psicóloga Clínica

publicado às 09:10


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D