Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Há Pessoas que não Sentem?

por oficinadepsicologia, em 11.12.12

Autora: Cristiana Pereira

 

Psicóloga Clínica

 

www.oficinadepsicologia.com

 

Facebook

 

 

Cristiana Pereira

Como é sabido, as mulheres costumam ter uma maior compreensão dos seus próprios sentimentos e emoções do que os homens.

 

Muitas delas sentem-se, não poucas vezes, frustradas e inseguras porque os seus companheiros são incapazes de demonstrar o que sentem. Isso leva-as a sentirem-se confusas, pois não sabem o que esperar da relação.

 

Esta situação torna-se por vezes mais difícil quando a mulher pergunta ao seu companheiro “o que sentes por mim?” e este responde com total sinceridade “Não sei” ou então “Suponho que gosto de ti porque caso contrário não estava contigo, não é?”

 

Em Psicologia, pessoas que parecem nunca sentir nada denominam-se por alexitímicos. Para estas pessoas, o que acontece não é que não disponham de sentimentos, mas não conseguem expressá-los.

 

As pessoas alexitímicas quase nunca se zangam ou choram e, quando o fazem, sentem-se muito desconcentradas, porque não entendem o que se está a passar com elas nem qual o motivo do choro.

 

Claramente, não têm a menor consciência dos seus próprios sentimentos e, assim, são incapazes de articular uma única palavra sobre o que estão a sentir. E por surgir desconforto perante situações que podem despoletar em si sentimentos, acabam por evitar as mesmas a todo o custo.

 

É provável que haja nos alexitímicos uma desconexão do sistema límbico, gestor das emoções, com o neocórtex, sobretudo com os centros verbais. De acordo com vários estudos, nestes casos, o neocórtex não pode classificar os sentimentos nem dar-lhes palavras, por isso, é como se não existissem, como se não pudessem tomar consciência deles.

 

O que deve ficar claro, em última instância, é que estas pessoas que parecem totalmente insensíveis e que não carecem de sentimentos, afinal desconhecem-nos e não conseguem expressá-los. Além disso, podem sentir as alterações corporais que acompanham as emoções, como taquicardia, suores, aceleração do ritmo respiratório. No entanto, são incapazes de associar estas reacções corporais à emoção experienciada, como o medo, a irritação ou a surpresa.

 

Então, pode dizer-se que o cérebro é como se fosse um computador eficaz que analisa logicamente os prós e os contras de cada acção possível. No entanto, sem o auxílio das emoções, tomar decisões torna-se extremamente difícil.

 

Na maior parte das vezes, não temos consciência do papel que a emoção e os sentimentos têm em cada decisão que tomamos. Mas, se sabemos que uma reacção emocional excessiva pode turvar a razão, o desconhecimento das emoções pode levar-nos a dar passos falsos ou a mergulhar-nos num mar de dúvidas.

 

Contudo, é nas escolhas importantes que a falta de sentimentos pode estimular verdadeiros insucessos. Ora, não podemos escolher a casa na qual talvez vivamos muitos anos, baseando-nos apenas nas considerações absolutamente lógicas e racionais, pois saber que é adequada não é suficiente. O mesmo se pode dizer da escolha de um curso, da pessoa com a qual vamos casar ou de uma mudança de emprego.

 

Surpreso?

 

publicado às 15:18


53 comentários

Sem imagem de perfil

De Orleide Felix de Matos a 18.11.2018 às 17:08

Eu não amo ninguém, não tenho sintonia com minha família, nem mesmo minha mãe, não sinto saudade de ninguém, não tenho amigos nem namorado. Moro com minha família (mãe e irmã mais velha que eu), sou aposentada, mas continuo trabalhando, tenho 62 anos, não tenho fihos. Quero sair de casa, ir morar em outra cidade, ter minha vida, mas tenho medo de não conseguir sobreviver com minha aposentadoria. Penso em ter outra fonte de renda, saindo do meu atual trabalho, mas não quero trabalhar na minha profissão. Minha irmã é autoritária e eu não me sinto à vontade em casa. Tenho medo de agir contrário ao honrar pai e mãe se sair de casa. Minha irmã tem 72 anos e minha mãe 89. Tem home care em casa e elas não ficariam sozinhas, mas o sentimento de culpa acaba comigo e eu tenho medo de ter que voltar de novo para casa, porque não dei conta de viver com pouco dinheiro. Não consigo fazer amigos e muito menos ter um namorado. Sinto meu coração vazio de sentimentos, não sinto saudade de ninguém, nem do meu pai e irmão que já morreram. Essa falta de sentimento me assusta, mas ao mesmo tempo eu gostaria de dedicar o resto da vida ao semelhante, porque já entendi que não é bvebendo, fumando e amanheendo o dia em bares que eu vou ser feliz.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D