Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Diagnósticos demasiado rápidos

por oficinadepsicologia, em 23.03.10

Email recebido

 

Boa tarde:
Tenho umas duvidas: tenho andado preocupada com o meu marido. Ultimamente não tem andado bem, tem dor de cabeça, só está bem deitado e fechado em casa, tem alturas que não come bem, tem dor de cabeça e tonturas. No outro dia ele andava a queixar-se do peito e fomos a um cardiologista que lhe fez um electrocardiograma e viu que estava tudo bem com o coração, o medico perguntou-lhe os sintomas que ele tinha e disse-lhe que o que ele tem é uma grande depressão, receitou-lhe uns comprimidos para tomar, só que hoje ele voltou a queixar-se de dor de cabeça.
O que me aconselha neste caso?
obrigada
Resposta
Cara I.,
Dificilmente me poderei pronunciar sobre o caso do seu marido, sem dados críticos referentes à idade, historial prévio, condições de vida, etc. Os sintomas de que me fala podem ser reveladores de variadíssimos problemas: uns de natureza puramente orgânico, outros de contexto psicológico/psiquiátrico.
Aquilo que lhe posso dizer, e espero que ajude, é que, supondo que quem analisa electrocardigramas é um cardiologista e não um psiquiatra, o médico que estabeleceu o diagnóstico de depressão não tem qualificações para o fazer. De igual forma, não basta um electrocardiagrama para excluir várias hipóteses médicas que podem estar na origem do mal-estar do seu marido e qualquer psicólogo experiente pedirá, logo na primeira consulta, um despiste geral e aprofundado do estado de saúde físico do seu marido, a efectuar de acordo com as indicações de um médico de clínica geral.
Assim, o que lhe recomendo vivamente é que leve o seu marido a um médico generalista, que se encarregará de pedir os exames necessários a avaliar se existe alguma condição médica que exija tratamento. Caso não se encontre nenhum problema a este nível, então sim, deve procurar acompanhamento psiquiátrico (que, normalmente, opta por uma abordagem farmacológica) ou psicológico (para uma resolução psicoterapêutica, sem recurso a medicamentos). Em caso algum, o seu marido deve tomar medicamentos para supostas depressões ou outras pertubações psicológicas/psiquiátricas sem estar devidamente diagnosticado e acompanhado por um psiquiatra ou neurologista.
Ficamos à sua disposição para a apoiar, e ao seu marido, como vos for mais conveniente. Por favor, receba os nossos votos de melhoras rápidas.
Abraço solidário,
Madalena Lobo

publicado às 16:55


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D