Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Autora: Ana Crespim

Psicóloga Clínica

 

Isto de que homens e mulheres são criaturas diferentes, já não é novidade nenhuma para ninguém. Aliás, se “As Mulheres são de Vénus e os Homens são de Marte”, está tudo dito: planetas distintos, características também. No entanto, mais importante do que seguir estereótipos e generalizações, é saber o que de facto nos distingue.

 

Um estudo publicado no jornal  Psychophysiology, alerta-nos para uma destas diferenças. Parece que mulheres e homens reagem de forma diferente ao stress, e que a idade também tem algo a dizer sobre o assunto. Assim, as mulheres que tendem a ser mais defensivas – reagindo activamente a críticas ou a ameaças à sua auto-estima, vêem aumentado o risco de sofrer de doenças cardiovasculares. Enquanto a postura menos defensiva, parece prejudicar a saúde, nos mesmos contornos, quando presente em homens mais velhos.

 

 

Entenda-se que a postura defensiva é um traço de personalidade caracterizado pelo evitamento e repressão de informação. Deste modo, tal revela-se com prejudicial nas mulheres, uma vez que conduz ao aumento da pressão sanguínea e do ritmo cardíaco, enquanto nos homens mais velhos, o que prejudica a saúde é a postura contrária, ou seja, ser menos defensivo, uma vez que aumenta o risco de doenças cardiovasculares.

Quer num caso como no outro (mulheres e homens mais velhos), esta característica está relacionada com a ideia de protecção da auto-estima e manutenção de laços sociais seguros, o que não é de todo surpreendente. Afinal, o sentimento de pertença, de fazer parte da vida de outras pessoas e de ser estimado por estas, é uma necessidade básica da condição humana. Deste modo, é perfeitamente compreensível que a maioria das pessoas veja a exclusão social como um risco para a sua existência.

 

Basta pensarmos na importância que tem sentirmo-nos integrados num grupo, quer seja um grupo de trabalho ou um grupo de amigos, o facto é que faz toda a diferença no modo como nos percepcionamos – afinal, a nossa auto-imagem depende também do que os outros nos passam acerca de nós próprios e, se sentirmos que nos “colocam de parte”, que não nos valorizam e que “estamos sozinhos no mundo”, é difícil que a nossa auto-estima se mantenha à superfície da terra. Somos seres sociais, independentemente do sexo.

 

Estes dados podem ter o seu impacto não só em cada um de nós, como também na forma como percepcionamos o outro, tomando consciência do impacto que o stress produz.

Este é um tema que carece de mais investigações e reflexões. Não convém, contudo, esquecer que o mundo não se divide em homens e mulheres. O mundo é constituído por ambos, com tudo o que lhes está subjacente, com as diferenças individuais de cada um. Homens e mulheres… Sejam Felizes!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:23



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D