Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Decida-se pelas decisões em família!

por oficinadepsicologia, em 23.06.10

Autora: Inês Mota

Psicóloga Clínica

 

 

É sabido que manter os níveis de bem-estar regularizados no seio da família não é de todo uma tarefa fácil. Desde que os mais pequenos assumem um papel e um espaço na família, inúmeros são os factores que acrescem para a entropia deste sistema, às quais reciprocamente os mais pequenos também reagem com as mais finas das sensibilidades

 

 

Como se não bastasse a multiplicação de esforços em família, surge o contacto com o meio através de uma instituição que pautará o percurso de vida dos mais novos: a escola!

 

Boas notícias para os pais dos mais novos, os estudos mostram que o reforço do acompanhamento parental ao nível do percurso escolar, tem uma influência considerável no desenvolvimento mais ajustado das crianças, através de tarefas simples como, visitas regulares e participação nas actividades promovidas pela escola.

 

 

À medida que os mais pequenos vão crescendo, continue a acompanhar de perto e a encorajar, a motivar e a reforçar o progresso educativo dos seus filhos, através da participação ao nível dos trabalhos de casa, partilha e revelação de situações/tarefas em conversas de família, participação e envolvimento nas actividades escolares.

Os resultados são surpreendentes: os comportamento agressivos e/ disruptivos, bem como a ansiedade ou humor depressivo diminuem. Ao mesmo tempo verifica-se que comportamentos pró- sociais como atitudes de cooperação e auto-controlo aumentam.

 

Todos os pais sabem que as dores de cabeça estarão sempre presentes na educação, pois “filhos e sarilhos” andam de mãos dadas, no entanto faça a experiência: decida-se pelo envolvimento parental.

 

Os mais novos continuarão a crescer e os sarilhos serão outros, “filhos crescidos, sarilhos acrescidos”, serão outros graus de desafios, a caminho da autonomia.

Os estudos mostram que os mais novos começam a participar em decisões familiares  gradualmente dos 9 aos 14, sendo atingindo o pico da participação entre os 15 e os 20. Esta participação está directamente relacionada com o grau de abertura dos pais, para a consideração destes inputs na tomada de decisão.

 

Assim, e nesta tarefa de fórmula difícil de tomar decisões, entre pais e filhos, maior número de inputs são considerados em decisões para a vida dos pré adolescentes em matérias como a aparência, actividades extra- curriculares, trabalhos escolares e actividades sociais. Na adolescência, entre os 18 e os 20 anos, as decisões sobre dinheiro e saúde continuam a ser feitas conjuntamente o que sugere que há um desenvolvimento da autonomia mais gradual em relação a este tipo de temas e áreas.

 

De acordo com Wray-Lake (2010) não há um padrão único e universal no desenvolvimento de tomada de decisões. Este processo é um reflexo do desenvolvimento da independência e responsabilidades dos adolescentes, de acordo e relacionado com o tipo de decisões que enfrentaram ao longo da sua vida e de acordo com as circunstâncias que foram proporcionadas.

 

Todos sabemos que não é tarefa fácil, mas na hora de decidir, todos participam!

 

publicado às 17:04


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D