Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Início de vida adulta

por oficinadepsicologia, em 18.07.10

Email recebido

 

ola. tenho 24 anos e acabei o relacionamento de 2 anos com o meu namorado de 22 anos. tudo porque não soube fazer as coisas com calma. Chumbei um ano na faculdade e nao contei aos meus pais. Fui viver para casa dele gastei muito dinheiro nesse tempo e ao fim de um ano os meus pais descobriram tudo. Disseram que não era rapaz para mim, que ele so namorava comigo só pelo dinheiro. Saí de casa mas acabei por voltar por causa da chantagem de que o meu pai não andava bem ao fim de uma semana. A minha mãe disse que nao falaria mais dele nem queria saber dele. Mas agora que acabei a faculdade, não aguentei mais a pressão psicológica, sempre que saiu de casa a minha mãe vêm comigo e agora acabei o namoro. Deixei a arvore ir abaixo, deixei secar as raízes. Deixei a pessoa que amava, e sinto um vazio. Não tenho forças para lutar por ele porque estão sempre a dizer que uma "menina não se comporta assim".  E a minha mãe diz que está para me ajudar a fazer as coisas bem. Mas eu quero é ele porque quando estou com ele estou feliz e quando estou em casa dos meus pais nao estou.

 

 

Resposta

 

Cara S.,

Há alturas na vida em que temos muita dificuldade em ver claro e decidir quanto a um rumo a seguir; parece-nos que todos os caminhos têm obstáculos inultrapassáveis e afundamo-nos na tristeza de não termos o que queremos. Felizmente, mais cedo ou mais tarde, descobrimos uma clareira e conseguimos seguir em frente - é importante ter confiança de que isso também vai acontecer consigo, por menos provável que isso lhe pareça neste exacto momento.

 

Pelo que diz, parece estar dividida entre o amor que tem ao seu namorado e o amor que tem aos seus pais e respeito pela opinião deles. É frequente existirem desentendimentos quanto às escolhas amorosas que os filhos fazem e, mesmo que não lhes reconheça razão, talvez fosse uma boa ideia debater, com calma, os seus argumentos e os argumentos dos seus pais. Também é uma boa ideia tentar conciliar tudo o que pertence à sua vida nesta fase: a faculdade, sem a qual dificilmente poderá vir a ter uma boa autonomia financeira no futuro; o que sente pelo seu namorado e o estilo de vida que pretende vir a ter com ele no futuro; a opinião dos seus pais que, talvez fruto de uma maior experiência de vida, lhe possam dar uma visão mais abrangente; e a vontade de começar já a viver a sua vida adulta ponderando-a com a necessidade de a deixar bem preparada para que possa vir a ser tranquila e segura. E, sobretudo, lembre-se que é a conversar que as pessoas se entendem!

 

Se precisar de apoio psicológico, alguém com quem conversar e que a possa ajudar a clarificar o que sente e pensa, não hesite em contactar-nos.

Entretanto, fique bem!

Abraço solidário,

Madalena Lobo

Psicóloga clínica

publicado às 14:22


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D