Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Perturbação do sono REM

por oficinadepsicologia, em 02.08.10

Autora: Madalena Lobo

Psicóloga Clínica

 

O sono normal comporta dois estados distintos: o sono não-REM, dividido em 4 fases, e o sono REM (que significa Rapid Eye Movement). Durante o sono REM, ocorrem movimentos oculares rápidos, a respiração torna-se irregular, a tensão arterial sobe e existe perda de tónus muscular (paralisia). No entanto, o cérebro está muito activo – a sua actividade eléctrica, por exemplo, é idêntica à que se verifica quando estamos acordados. O sono REM é, habitualmente, associado aos sonhos e corresponde a cerca de 20-25% do tempo total de sono.

 

Numa pessoa que tenha uma perturbação comportamental do sono REM, a paralisia muscular que ocorre durante este estado é incompleta ou ausente, o que permite que a pessoa se movimente de acordo com os seus sonhos. A perturbação do sono REM caracteriza-se pelo facto de as pessoas “encenarem” os sonhos vívidos, intensos ou violentos, o que inclui comportamentos como: falar, gritar, dar murros e pontapés, sentar-se ou saltar da cama, esbracejar e agarrar objectos próximos. Pode ser precipitada uma crise pontual destas durante a desintoxicação alcoólica ou o desmame de sedativos ou alguns anti-depressivos – sendo esta a sua causa em 45% das ocorrências. Nos restantes 55% dos casos, desconhece-se por enquanto os motivos para esta perturbação. De uma forma geral, surge após a meia-idade e mais frequentemente em homens.

 

 

Ocorre, frequentemente, associada a várias patologias neurológicas de natureza degenerativa, como o Parkinson, a atrofia multisistémica, a demência de corpos de Lewy e síndrome Shy-Drager.

 

Num estudo, 38% dos pessoas diagnosticadas com a perturbação do sono REM vieram a desenvolver Parkinson, em média 12 a 13 anos depois dos primeiros sintomas desta perturbação, e as pessoas com Parkinson e atrofia multisistémica têm maior probabilidade de sofrerem da perturbação do sono REM. De acordo com um estudo publicado há 2 dias no jornal da American Academy of Neurology, a perturbação do sono REM pode estar ligado ao surgimento de Parkinson ou demências até 50 anos após os primeiros sinais.

 

Por isso, se dá por si ou pelo(a) seu(sua) companheiro(a) de sono, recorrentemente a agitar-se muito durante a noite, com movimentos que lhe pareçam anormalmente bruscos e/ou violentos, existem três grupos de acções que lhe sugerimos:

  1. Em primeiro lugar, fale com o seu psiquiatra, no caso de estar a tomar (ou desmamar) medicação psicofarmacológica
  2. Consulta de neurologia (existe medicação muito eficaz para resolver a perturbação do sono REM e há necessidade de rastreio precoce de demências)
  3. Consulta do sono (para estudo do padrão de sono)
  4. Acções de segurança enquanto a situação não é tratada, uma vez que a agitação produzida pode constituir um risco para o próprio e/ou para o seu parceiro:
    1. Retirar objectos potencialmente perigosos do quarto de cama
    2. Retirar mobilía ou objectos que possam magoar a pessoa no caso de cair da cama
    3. Se possível, a pessoa afectada deve dormir no colchão no chão, nomeadamente se tiver tendência a levantar-se durante os episódios comportamentais.
    4. Pode ter de ser considerada uma cama protegida com gradeamento

publicado às 15:09



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D