Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Assunto sensível

por oficinadepsicologia, em 07.11.10

Email recebido

 

Boa Tarde,

Li um artigo seu e gostei muito, quando fazia uma pesquiza sobre conselhos acerca de varias questoes com que me tenho deparado na minha vida.
Uma delas e a qual não encontro nada escrito é sobre como lidar com a seguinte situação:

Sou divorciada e tenho 2 filhos.
Este verão por intermedio de um amigo conheci um homem. Faziamos em grupo programas divertidos tais como jantar fora e sair á noite.
Entretanto começou a surgir a vontade de estreitarmos o conhecimento e envolvemo-nos. Haviam alguns comportamentos algo estranhos nele e entretanto confessou que era casado, no entanto tinha muito tempo disponivel e dava-me atenção. Pensei que estaria a divorciar-se.
Dois meses depois, quando a situação já me estava a incomodar, decidimos conversar seriamente na proxima vez que estivessemos juntos. Dois dias depois recebo a noticia do meu amigo que nos apresentou que a mulher do homem com quem eu me estava a relacionar tinha morrido. Estava internada com cancro já ha varios meses e faleceu.
Passaram outros dois meses e continuamos envolvidos, sei muito pouco pois é uma pessoa fechada e fala pouco. Eu estou a lidar algo mal com a situação pois sinto que não é possivel ele estar bem e realmente se envolver comigo tendo em conta toda esta situação. Ele tem uma filho de 11 meses o que torna tudo ainda mais dramatico.
Não posso deixa-lo neste momento, mas custa-me muito não ser a mulher em quem ele pensa á noite e de quem tem saudades!
O que posso fazer?
Não me parece que seja caso para recorrer a um psicologo, pois não acho ter problemas, mas gostaria que me aconselhasse.
Obrigada

 

Resposta

Cara M.,

Encontra-se, de facto, numa situação que vai exigir toda a sua sensibilidade. O seu parceiro parece estar a debater-se com emoções difíceis e que vão exigir algum tempo a ser integradas, e não facilita o facto de ser uma pessoa reservada. No entanto, o facto de manter a relação consigo indicia que deve sentir que esta é uma relação reparadora que o ajuda a encontrar bem-estar.

Pelo seu lado, existe o desconforto com o facto de desconhecer o que se passa emocionalmente com ele e a própria situação, pouco habitual, e de difícil gestão. Contudo, pelo que diz, trata-se de uma relação que a satisfaz e não parece ter indicadores de mal-estar que se possam atribuir ao funcionamento de ambos - apenas a um facto a que é alheia.

Se, efectivamente, valoriza esta relação, seria importante deixar o tempo passar, e ir observando como se sente e como observa o evoluir de ambos. Ainda que lhe doa saber-se pontualmente num segundo plano, há um luto que ele tem de fazer e isso ocupa tempo mental e emocional, sem que isso signifique qualquer desvalorização do investimento afectivo que ele possa estar a fazer em si e na vossa relação. Dê-lhe espaço emocional para ele encontrar os seus próprios significados e para que as emoções assentem e respirem - mantenha a atenção no viver a dois quotidiano, na intimidade partilhada, na construção dos pequenos pormenores que compõem uma relação afectiva, no riso da partilha dos bons momentos e no sorriso carinhoso que fundamenta uma boa relação. Com o tempo, estou certa de que encontrará as respostas necessárias.

Abraço,

Madalena Lobo

Psicóloga Clínica

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 17:58



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D