Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Imagem corporal

por oficinadepsicologia, em 21.12.10

Autora: Joana Florindo

Psicóloga Clínica

 

 

À imagem do código genético ou impressão digital, a imagem corporal que cada um apresenta, é única, e no seu todo intransmissível. Ela resulta de um cruzamento de inumeráveis hipóteses, de características variadas, e assume-se em nós como um cartão de identidade para a vida.

 

 

A altura, o peso, a forma, a cor do cabelo, dos olhos e da pele, a grossura dos lábios, o tamanho das orelhas, das mãos, dos dedos, das pernas ou dos braços, são particularidades, que no seu conjunto, arquitectam um todo que dita como nos relacionamos connosco, com os outros e com o mundo. Mas, mais do que aquilo que expomos aos outros, mais do que o corpo que mostramos, a imagem corporal diz respeito à experiência interior que cada um tem com o seu próprio corpo. Abraçando percepções, crenças, pensamentos, sentimentos e comportamentos, sobre essa mesma experiência.

 

 

Quando percepcionamos que a nossa imagem corporal não corresponde àquilo que desejaríamos, despertamos dificuldades que se verificam desde a aceitação pessoal ao relacionamento com os outros e com o mundo. É comum, por exemplo:

- Emergirem sentimentos de baixa auto-estima, de desvalorização pessoal e de inadequação, que podem mesmo conduzir à depreciação do próprio enquanto pessoa, e levá-lo consequentemente à vivencia de estados depressivos;

- O surgimento de perturbações alimentares, face à insatisfação com a forma ou peso do corpo;

- A percepção da feminilidade e da masculinidade serem postas em causa, quando se percepciona que não se possui, ou se possui deficitariamente, as qualidades físicas esperadas para o género. Levando a uma diminuição da percepção de aceitação dos outros e condicionando o estabelecimento de interacções sociais;

- Ao nível da intimidade sexual, devido à necessidade da exposição ao outro, a percepção de um corpo feio, deselegante e disforme conduz muitas vezes à substituição de uma experiência prazerosa e relaxante, numa prática de elevada tensão e ansiedade, que tende a ser evitada a todo o custo.

 

Todas estas consequências negativas, impõem assim uma necessidade de alterar as percepções que temos da nossa imagem corporal. E ultrapassando em muito aquilo que observamos quando nos olhamos ao espelho, se quisermos modificar a percepção que temos da nossa imagem corporal, precisamos de olhar também, e em profundidade, para o nosso interior. Porque a resposta não reside no mudar o corpo, mas sim no mudar percepções, crenças e pensamentos que temos dele.

 

Aquilo que possuímos é único e incomparável.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:07


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D