Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Crise? Falemos de oportunidade!

por oficinadepsicologia, em 17.02.11

Autora: Inês Afonso Marques

Psicóloga Clínica

 

 

Nos últimos anos parece que a palavra crise anda na boca, nos pensamentos, nos bolsos de todos nós. A verdade é que, cada um de nós pode “dar a volta à crise, trocando-lhe as voltas”.

 

Pensemos sobre um tema familiar que surge muitas vezes associado a esta palavra, que apesar de pequena parece ter um poder enorme, pois dá a sensação que não conseguimos parar de a usar como justificação para uma imensidão de coisas que achamos estarem fora do nosso controlo.

Ser pai. Ser mãe. Que ideias lhe vêem à cabeça?

 

Vou ser pai! Vou ser mãe! Sinto que estou prestes a alcançar um objectivo de vida, mas… E agora? Chegou a altura de escrever um novo capítulo, quiçá se o mais belo, do livro da vida. Atenção! Está prestes a entrar num “espaço” que requer mudanças e adaptações constantes, capazes de o surpreender a si e aos que o rodeiam. Deixe-me adivinhar… Estava convicto de que o que tinha visto, lido e conversado com os amigos, colegas e familiares lhe teria dado toda a informação que necessitava para ser “o melhor”… O melhor? Deixe-me adivinhar. Nalguns dias e nalgumas noites, aquelas estratégias que sempre resultaram com a sua família e os seus amigos não resultaram consigo. Verdade? Pior ainda. Como se não bastasse as receitas familiares não funcionarem, as poucas horas de sono e descanso pareciam querer diminuir a falta de paciência e aumentar a intolerância e irritação para com o seu parceiro. Tudo parecia servir para uma enorme discussão. Como se sentiu? Frustrado? Irritado? Triste? Desesperado? Desanimado? Angustiado? Receoso? Em crise?!?

 

 

Investigámos a fundo a palavra. Haveria razão para a recear? Concluímos que não.

O caracter chinês para a palavra crise significa “perigo” e “oportunidade”.

Etimologicamente, a palavra crise vem do grego “krisis” que significa capacidade para distinguir, escolher, decidir, resolver.

É natural que, na fase de transição para a parentalidade, alguns casais percepcionem não possuir recursos para dar resposta às exigências dos seus novos papéis. Contudo, a crise que possa querer imperar pode ser encarada com confiança.

Parece que ainda ecoa aí uma pergunta. Mas afinal existe ou não um manual, um segredo, que me vai ajudar a ser o melhor pai? Não. Porquê? Porque o seu filho é único. Você é único.

E porque é deste conjunto de desafios e provações que emergem algumas das maiores conquistas do Homem, capazes de proporcionar as mais genuínas e gratificantes vivências da realização pessoal.

 

publicado às 09:47


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D