Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Comportamento alimentar

por oficinadepsicologia, em 18.02.11

E-mail recebido

 

Tenho 16 anos, com 1,73 e peso 63 kg.
Vai fazer 2 anos que a minha obsessão pelas dietas tem vindo a piorar. E agora tornou-se um verdadeiro pesadelo. Neste momento, tento emagrecer, mas cada vez que como demasiado, vingo-me, e como até ficar enjoada (chego ao limite do meu organismo e fico com má disposição). Faço de seguida abdominais e provoco vómitos de vez em quando, mas nunca consegui que houvesse efeito. Também já tomei uma espécie de ervas (dá efeito laxante) e não resolveu nada.
Todos os dias penso no mesmo, penso sempre em comida. Chego até a ver blogs de anórecticas para ver se consigo emagrecer e sentir-me bem com o meu corpo. Quero ser magra porque danço ballet, e queria levar a dança a sério (visto que as bailarinas tem uma constituição magra). Não quero viver para comer. Já tentei distrair-me vendo outras coisas, mas acabo sempre por voltar ao mesmo. Tem alguma dica para que eu deixe de pensar assim?

 

 

 

Cara I

 

Conta-nos uma história que parece ser de uma relação muito difícil com a alimentação. Particularmente tendo em conta a importância que deposita na sua forma física em consequência da sua dedicação ao ballet, a sua dificuldade em regular o que come parece tornar-se muito assustadora e perturbadora. A investigação vem demonstrando que a adolescência é um período muito propício a dificuldades desta natureza, sendo uma idade em que a imagem corporal se reveste de uma grande importância. Em especial para quem os sonhos de futuro estão dependentes de uma constituição física magra! A dificuldade em gerir a quantidade e qualidade de alimentos ingeridos pode tornar-se uma fonte de muita frustração e ansiedade. Quando isto acontece, é frequente haver comportamentos de indução de vómito ou evacuação ou, pelo contrário, uma ingestão descontrolada de alimentos. Pelo que nos revela, torna-se difícil avaliar o nível de risco na sua situação. É sabido que este tipo de comportamentos se pode tornar muito preocupante e, sem tratamento, dar origem a problemas graves de saúde, quer física quer mental. No imediato, será seguramente útil utilizar exercícios de relaxamento como forma de controlar os impulsos de ingestão, vómito e exercício excessivo. No entanto, parece-me muito importante que procure ajuda quanto antes. Neste tipo de situação, quanto mais rápida for a intervenção, menor o risco que se corre de desenvolver uma perturbação alimentar, como a anorexia ou a bulimia nervosa. Consultar um psicólogo e um nutricionista farão, seguramente, parte de uma intervenção abrangente e capaz de dar resposta ás suas dificuldades. Caso lhe possamos ser úteis de mais alguma forma, por favor não hesite em contactar-nos.

Um abraço,

 

Francisco de Soure

Oficina de Psicologia

 

publicado às 14:05


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D