Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ansiedade e cirurgia

por oficinadepsicologia, em 28.02.11

E-mail recebido

 

Olá,
Tenho 21 anos e sofro de ataques de pânico e ansiedade desde os 18 anos. Já faço psicoterapia e tomo medicação. No entanto, nada parece resultar e quando pensava que já estava curada tive uma recaída. O que eu gostaria de saber é se existe alguma cirurgia que possa ser feita ao cérebro/amigdala para acabar com a ansiedade os ataques de pânico? Mesmo que isso signifique não ter ansiedade em situações em que a ansiedade é normal.
Obrigada,

N

 

 

Cara N

 

Ao ler o seu pedido de ajuda, salta à vista o quanto parece estar a sofrer com a ansiedade que sente. Gerir diariamente o convívio com a ansiedade pode tornar-se um pesadelo, uma limitação tão severa e pesada como viver sem pernas ou braços. Quanto mais intensa e frequente esta ansiedade, maior o grau de limitação que sentimos. Especialmente se esta se fizer acompanhar de ataques de pânico, que nos deixam a temer a iminência de perder o controlo a qualquer momento. Aquilo acerca do que nos questiona parece ser uma solução muitíssimo radical. Para que chegue a esse ponto, especialmente tendo em conta que já conta com tratamento, faz-me imaginar que a ansiedade que sente se tenha tornado absolutamente insuportável. Tanto quanto sei, não existe nenhuma solução cirúrgica (pelo menos que seja segura ou vantajosa) que se enquadre naquilo que nos questiona. Particularmente se isso implicar deixar de ser capaz de sentir medo, pode ser altamente perigoso. A ansiedade é uma resposta exagerada de medo em circunstâncias inofensivas. Este medo é desagradável e limitador, no contexto em que se verifica. No entanto, o medo enquanto emoção é o nosso “cinto de segurança”. Viver sem medo implicaria potencialmente entrar em comportamentos de elevado risco. Atravessar a estrada sem olhar, não se preocupar com o estado de conservação daquilo que come ou conduzir de forma arriscada são apenas alguns exemplos de comportamentos que o nosso medo nos ajuda a prevenir. Em qualquer caso, na Oficina de Psicologia a nossa equipa é constituída por psicólogos. Isto implica que o nosso conhecimento das possíveis soluções cirúrgicas nunca se comparará aquele que poderá encontrar junto de um neurologista ou psiquiatra. Posto isto, parece ser importante discutir com o seu psicoterapeuta a severidade dos sintomas que sente, assim como procurar a ajuda especializada de um médico. Se houver algo mais em que a possamos ajudar, por favor não hesite em contactar-nos.

Um abraço,

 

Francisco de Soure

Oficina de Psicologia

 

publicado às 18:44


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D