Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




As máscaras

por oficinadepsicologia, em 26.03.11

Dia 27 de Março - o dia do Teatro!

 

Máscaras... Todos nós usamos máscaras. Todos nós construimos imagens sociais para nos adaptarmos a determinados ambientes sociais, para responder à expectativa de certas pessoas. O perigo de usarmos máscaras é o de nos perdermos no mundo da desejabilidade social e do facilitismo das expectativas que criamos nos outros. O perigo é o de o nosso eu ficar totalmente difuso entre todos os outros que vão aparecendo na nossa vida.

Esta temática das máscaras é muito interessante, porque remete para outra questão... Desde de quando usamos máscaras? Desde quando tivemos de construir determinados eus para sermos aceites pelo outro? Provavelmente fomos construindo eus desde que nascemos... Mas então onde nos encontramos? Será que temos uma real identidade para além de todas estas máscaras com que alegremente nos vamos enfeitando todos os dias? Se tirarmos todas as máscaras, todas as construções que fizemos de nós próprios ao longo da nossa vida o que é que resta? E será que resta alguma coisa? Será que nos deparamos humildemente com o vazio de que falam as tradições contemplativas orientais? E como seria sabermos que somos vazio e que tudo o resto são jogos sociais e fantasias que fomos criando para viver no mundo da aceitação social? Penso que vale a pena pensar sobre isto!

António Norton

 

 

Máscara, aquilo que te mostro a ti, para me esconder de mim.

Helena Gomes

 

 

 

 

Busco em todas as personagens que interpretei, os indícios para me encontrar. De todas as máscaras que coloquei, alguma serei eu, ou todas... já não sei. Dizes-me que me escondo em mim, quando eu tento aparecer no caminho de volta, por dentro das personagens, à procura do que te quero dar, mas que ficou esquecido nas histórias do que fingi ser. Só com ela, que hoje se deita neste corpo, eu verdadeiramente sorri. Finalmente, descobri (me).

Nuno Mendes Duarte

 

 

 

A persona, essa amiga cúmplice com quem aprendemos até um dia sermos.

Luís Gonçalves

 

 

 

Máscara, que me esconde do mundo, que penso que me protege, mas que me vulnerabiliza mais quando a uso. Afinal, quando ela cai, não é só aos outros que enganei... enganei-me a mim própria ao pensar que poderia passar algo que não sou...

Ana Crespim

 

 

 

Por detrás de uma máscara está um eu que não quer ser como é, ou que julga não poder ser quem é, quando está com outro alguém. Nas contracenas diárias do teatro da vida, assiste-se a prodigiosos bailes de máscaras.

Joana Florindo

 

 

 

Máscara

Ser um eu, que ninguém conhece, nem mesmo eu, como sendo (m)eu.

Inês Marques

 

 

 

As máscaras não servem só para nós escondermos. Há máscaras que nos ajudam a dar os primeiros passos, que nos ajudam a ganhar auto-estima e por isso podem ser tão poderosas.  São aquelas máscaras em que nós fazemos de conta, “como se...” -  como se tivessemos coragem,  confiança, segurança ou à vontade. E de repente fomos capazes de falar, de dizer não, de aparecer e de viver.

Isabel Policarpo

 

 

 

Uso e escolho máscaras, consoante o papel que interpreto na peça em exibição.

 

Uso e escolho as máscaras que melhor me revelam. Uso-as como melhor me exprimo e assim me encontro e conheço.

Mostrando-me, conheço-me e então também me escondo, se assim quiser.

 

E consoante o dia, o público, o teatro, os actores ou o dia da exibição, escolho a máscara que melhor me ofusca ou que melhor me reflecte.

 

Que mostre o que gosto de mostrar e que esconda o que não quero revelar.

 

E tu?

Que máscara(s) usa(s) hoje?

Inês Mota

 

 

A Máscara

A máscara poderá ser o que eu quiser, o que tu quiseres, aquilo que

tem a plasticidade suficiente de moldar um pseudo-eu, podendo

confundir-se com o que é real.

Aquela que envelhece comigo e que ao longo dos anos me protege,

esconde e permite Ser, transformando-se numa personalização, de fora

para dentro e de dentro para fora.

Quantas pessoas não há que escondem os seus sentimentos, “neuroses” e

“desvios de comportamento” com o receio da não-aceitação, por parte do

próprio e do outro, acabando por cair numa insatisfação interna?

Neste processo, ao longo do tempo, e do que nos é conveniente, podemos

ter vários tipos de máscaras, ligadas às emoções que não permitem

mostrar o que de verdade sentimos, aquilo que é a nossa emoção

primária; a máscara dos afectos que vai camuflar o afecto que se nutre

por algo ou alguém; a máscara dos pensamentos que não nos permite

dizer o que pensamos, a dos nossos comportamentos ou acções que

esconde aquilo que realmente nos impele a agir desta ou de outra

forma, e possivelmente muitas outras que encontraríamos se fizéssemos

uma busca activa.

Se quisermos, também poderemos colocá-las em três níveis, o nível mais

superficial que são aquelas que utilizamos na nossa relação directa

com os outros, num segundo nível em que as máscaras servem para

mediatizar a relação que temos com a percepção de nós mesmos, e um

ultimo mais profundo onde estão as nossas resistências mais poderosas

contra comportamentos primários e impulsivos de expressão

inconsciente.

Em psicologia falamos dos nossos mecanismos de defesa que por vezes

não são nada mais nada menos do que estas mesmas máscaras.

Começam a formar-se desde cedo nas interacções com o outro. Todos as

temos, sendo um processo alheio à nossa vontade. A criança que chora,

que ri, que mente, etc. como uma forma de obter algo do adulto e que

de acordo com o que são os reforços ao seu comportamento, cria papéis

diferentes para obter aquilo que quer: atenção, protecção ou amor.

Muitas vezes é com o passar dos anos, que olhamos para dentro de nós,

e conseguimos perceber o quanto nos distanciámos de quem realmente

somos.

O trabalho que se é convidado a fazer em psicoterapia, é esse

reencontro numa viagem de auto-descoberta. Um novo contacto com o que

se é na realidade, a sua essência, o self verdadeiro e a identificação

do que são as suas necessidades e cristalizações.

E aos poucos, vamos sentindo que não precisamos mais de usar esta ou

aquela máscara, vamos deixando-a cair, verificando o quanto está gasta

e enferrujada pelos anos todos que a usámos. Tomamos consciência do

quanto ela também nos impediu de tocar as coisas boas que nos rodeiam

por excesso de protecção e que afinal o que temos cá dentro pode não

ser assim tão assustador.

O desafio que vos proponho neste dia, é precisamente a viagem ao

interior de vocês mesmos, a descoberta daquilo que são as vossas

máscaras, e que levem como companheiro dessa aventura o livro “O

Cavaleiro da Armadura Enferrujada” de Robert Fisher.

Excelente Dia Sem Máscaras.

 

Fátima Ferro

Que máscaras usamos?

A Máscara surge como um esconderijo da nossa identidade que nos transforma nem que seja por breves momentos. Na realidade usamos máscaras todos os dias e é desta forma que desempenhamos os vários papéis nas nossas vidas - o papel de mãe, de filho, de amigo, de namorado, de profissional. É com estas máscaras que nos relacionamos e que temos as atitudes adequadas para cada circunstância. Contudo, é importante ter sempre presente: Quem está por trás de todas estas máscaras sociais?

Pense nisto!

Catarina de Castro

 

 

A máscara sugere uma relação possível entre a representação dramática de uma personagem e aquilo que compreendemos de quem a usa. O teatro criou uma vasta galeria de personagens: o herói generoso, a linda donzela, a esposa incansável, o marido ciumento, o velho rabugento etc. Cada um segue com a sua própria máscara... Reconheça-a e considere o que ela diz de si próprio.

Tânia Cunha

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:41


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D