Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A olhar para o passado

por oficinadepsicologia, em 22.01.10

 “Ao longo do dia recorro várias vezes aos acontecimentos do passado e digo a mim própria: “se tivesses tomado outra atitude, se tivesses feito da outra maneira, seria tudo diferente e muito melhor. Sei que isto é uma tolice, que é estúpido pensar sobre coisas que não aconteceram, mas tenho pena que a minha vida tenha tomado um rumo e eu gostaria que tomasse outro. O meu marido foi-se embora e agora, sempre que oiço algo sobre ele, sinto-me cheia de ressentimentos. Estou cansada de viver assim, sinto que a minha própria vida está parada e sem cor. Como posso ultrapassar isto?”

 

T. S., 38 anos

 

Cara T.,

A resposta está na última parte da sua pergunta. A única maneira de ultrapassar a sua situação é começar a interessar-se mais pela sua própria vida e não pela vida do seu ex–marido. E interessar-se, significa deixar de mastigar infinitamente os seus erros e insucessos. Porque a energia psíquica é única, e vai buscar a sua força à mesma fonte que, por incrível que pareça, tem limites. A agressão contra o ex-marido faz uma inversão de marcha e vira para dentro, transformando-se em culpa. E depois, da auto-crítica vira novamente para a agressão. O rancor é, nada mais, nada menos, uma mistura entre estes dois componentes. E a sua energia fica presa no círculo vicioso sem conseguir uma libertação. Não é de ficar surpreendida que a sua vida parece um tédio, até porque a força da sua energia fica esgotada nesta corrida. Experimente resgatá-la dos pensamentos ruminativos sobre “o que não fiz” e faça algo novo, algo diferente. Introduza uma novidade na sua vida, proponha a si própria uma nova experiência. E para iniciar, não precisa de nada radical. Acredite que com experiência vai conseguir tomar gosto pela mudança e ganhar mais garra para assegurar a sua vida. Até porque viver para si própria é muito mais agradável do que dedicar a vida ao homem que decidiu sair dela.

Um abraço solidário

Irina António

Oficina de Psicologia

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:13


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D