Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Dicas para controlar os excessos alimentares

por oficinadepsicologia, em 19.05.11

Autora: Joana Florindo

Psicóloga Clínica

www.oficinadepsicologia.com

 

    1. Joana Florindo
      Siga um padrão alimentar regular. Isto é, procure comer 3 refeições principais e 3 refeições secundárias (lanches) por dia, e não deixe passar mais de 3 horas entre elas; Comer regularmente, sem que existam grandes intervalos entre as ingestões, permite que não sejam sentidas “fomes intensas”, que facilmente podem desencadear excessos alimentares;
    2. Se algo não correr bem, não perca o ritmo. Isto é, se existir algum excesso alimentar ou passar por cima de alguma refeição principal ou secundária, é crucial que volte ao padrão alimentar regular logo de seguida, evitando a perpetuação do descontrolo ou o surgimento de “fomes intensas”;
    3. Planeie com antecedência as suas refeições. Se por exemplo, devido a questões de trabalho que não podem ser alteradas, sabe que o seu almoço no dia seguinte terá de ocorrer mais tarde, digamos que às 15h00, procure levar consigo alguma comida de casa e fazer duas refeições secundárias durante o período da manhã;
    4. Não tenha alimentos “proibidos”.  Há alimentos que devem ser ingeridos de forma moderada e não proibidos. As proibições tendem a desenvolver tentações irresistíveis, que terminam habitualmente em ingestões excessivas, e consequentemente em sentimentos de culpa e desilusão. Modere a ingestão destes alimentos, livre-se de culpas e sinta o prazer de poder comê-los comedidamente;
  • Não siga dietas rígidas. Manter uma alimentação saudável, sem restrições extremas, é a chave para evitar excessos alimentares e consequentes ganhos de peso. Quanto mais proibições tiver, e quanto mais rígidas forem, mais rapidamente perceberá que não as conseguirá cumprir, e tenderá a desencadear ingestões excessivas com maior regularidade. Para as evitar, siga uma alimentação variada e saudável;
  • Adie ao máximo o impulso de comer quando percebe que ele é motivado por sentimentos como a ansiedade ou a tristeza. Ao sentir os primeiros sinais, procure fazer algo que lhe dê prazer e que seja incompatível com o acto de comer. Tenha consigo uma lista de actividades e ponha-as em prática assim que sentir os primeiros sinais de risco. Dar um passeio, pintar um quadro, tirar fotografias ou ligar a um familiar ou amigo. Tente encontrar o que mais se adequa a si e que seja possível concretizar nos mais diversos contextos. Verá que a urgência de comer diminui com o passar do tempo;
  • Cuide de si e relaxe, diariamente. A pratica de exercícios de relaxamento contribui não só para a redução da ansiedade e do stress diário, como é uma óptima ajuda no controlo dos impulsos de ingestão;
  • Procure ajuda especializada. Se este problema lhe parece impossível de gerir, ou tratar-se mesmo de uma perturbação do comportamento alimentar, não hesite em procurar ajuda especializada. Qualquer dica/sugestão acima apresentada, não se pode assumir como uma resposta adequada a um problema de saúde dessa dimensão, que requer uma intervenção ampla e complexa, e que precisa de ser conduzida por uma equipa multidisciplinar especializada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:19



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D