Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Planear um divórcio?

por oficinadepsicologia, em 29.01.10

Hugo Santos

Psicólogo Clínico

 

O conceito social e psicológico do “amor para sempre” tem sofrido metamorfoses culturais e representacionais ao longo do tempo. Digamos que actualmente as relações partem da lógica do para sempre, mesmo que mais inconsciente, até que o desentendimento as separe.

Neste sentido, os critérios de escolha da parceira ou parceiro para toda a vida para além de activarem emoções ambíguas (entre a crença e a descrença da durabilidade das relações), poderão incluir conscientemente dois critérios relevantes na nossa check-list interna:

  1. Para sempre: escolha da pessoa com quem nos vemos a construir uma vida em conjunto, idealmente para sempre ou durante muito tempo (com os ingredientes naturais da vida conjunta: carro, casa, filhos, dia-a-dia, divisão de tarefas, finanças, doença, velhice, entre outros)
  2. Até que o desentendimento nos separe: escolha da pessoa com quem achamos que nos daríamos de forma civilizada na pós-separação (a qual continuaria a ser uma boa mãe/ pai e permitiria sermos igualmente pai/mãe)

Como se aprende nos escuteiros, um bom nó tem duas características: ata fortemente os dois elementos que queremos juntar e unir e igualmente é possível desatar, sem ser necessário cortar a corda ou sem ser um “nó cego”. Esta metáfora é aplicável às relações, isto é, uma boa união inclui uma ligação construída com proximidade e segurança, e inclui igualmente a possibilidade de separação (idealmente de boa separação).

Contudo, as relações são frequentemente fragilizadas com o efeito avestruz da negação dessa hipótese de separação (não queremos ver essa possibilidade da relação acabar e “enfiamos a cabeça na areia”), ou através da inversão do medo que tal aconteça (a pseudo-independência do tipo “não preciso de ninguém”, que poderá originar um evitamento do compromisso ou um desinvestimento nas relações).

A proposta que colocamos na mesa é, perante isto, a de tornar consciente, monitorizada e conversada a hipótese de separação, mesmo quando a relação está óptima. Aliás, essa altura é a melhor para se pensar tranquilamente, de forma confortável e sem a contaminação de emoções negativas de “como seria se nos separássemos”.

Vejamos um exemplo comparativo.

Actualmente é frequente as pessoas terem um Seguro de Saúde o qual poderá incluir, por exemplo, a hospitalização. Quando se faz esse plano de saúde não se deseja vir a ficar doente, como é natural, mas procura-se estar preparado e prevenir piores consequências no caso de doença.

De igual modo, poder-se-á fazer a dois e no campo das hipóteses, um Seguro da Relação, isto é, um plano sobre o que fazer caso surja a possibilidade de separação.

Talvez daqui a uns tempos os bancos e seguradoras até tenham no mercado a oferta de um P.P.D. - Plano Poupança Divórcio, para o casal ou pessoa singular fazer poupanças para o caso de separação (pois nesta altura as despesas versus orçamento desequilibram muito as finanças de cada um).

O paradigma social do casamento está em transformação e muitas vezes as mudanças fazem-se através de um efeito pendular, do oito para o oitenta. Assim, entre o acreditar cegamente que as relações duram a vida toda e o seu descrédito e desinvestimento defensivo (na crença de que não vale a pena apostar em algo que vai acabar), poderá haver o meio-termo.

O desafio de todos nós é a procura de um equilíbrio a dois, no acreditar e construir uma relação para sempre (pelo menos no campo ideal), e, caso surja o desentendimento, estarmos minimamente preparados, igualmente a dois, para aguentar e gerir o impacto de uma separação.

Por isso, aqui fica a sugestão para um tema de conversa harmoniosa e bem humorada: planeie como seria caso se separassem.

Assim estarão unidos “na saúde, na doença” e na prevenção do divórcio (quer seja prevenção primária ou secundária).

Afinal, é possível uma boa relação assim como uma boa separação, com tudo de bom e de mau que estas contêm, mas com um saldo francamente positivo. Está nas vossas mãos conseguirem-no. Estaremos aqui para vos ajudar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:45


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D