Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pânicos do coração

por oficinadepsicologia, em 30.01.10

Autor: Nuno Mendes Duarte

Psicólogo Clínico

 

Quantas vezes, hoje, já levou a atenção ao seu coração? Esta é uma pergunta que lhe pode soar estranha ou, por outro lado, soar-lhe familiar. Não me estou a referir à sua condição cardíaca. Estou a perguntar-lhe se anda preocupado com as recentes manifestações de ansiedade que tomaram conta do seu coração. Como se já não confiasse tanto nele, tivesse perdido um pouco do controlo e o medo de que ele falhe se tenha apoderado de si. Hoje quero falar-lhe de Perturbação de Pânico…

Se fosse descrito em tempo real, provavelmente soaria assim: Alto! Atenção ao coração. Que onda é esta que me percorre? Parece que o ritmo se tornou estranho, descompassado, passado, assustado, destravado… STOP! Quero que ele se acalme, mas ele não parece estar para aí virado. Claro que os pensamentos vêm atrás a empurrar e a minha mente começa a girar, planar, desconfiar, preocupar, catastrofizar… Começou a corrida do meu corpo a querer fugir desta sensação que se cola e se estende como uma manta que prende e, no fundo, que ninguém entende. Quero tentar disfarçar, mas como? Agora parece que já nem sei respirar. Inspiro ou expiro… ups, o ar não chega, olhem que me falta o ar, este ar que não entra e este ar que sai, mas porque é que o peito teima em apertar… Ai, ai… Que ritmo, que medo, o que é que me está a dar? E mais medo, pensamentos, tormentos e afrontamentos, já sinto o chão a girar. Quero sair, fugir, gritar de onde, para onde, sei lá… daqui para ali… dali para um sítio seguro. Já, já, já não sinto os braços, as pernas, a respiração não chega o coração vai rebentar, a boca parece palha… que loucura, mas isto não pára? Vou morrer? Agora? Mas não tenho aqui ninguém? Morrer agora, ou estarei a enlouquecer… Socorro, quero fugir do meu corpo… Tenho pânico e o meu coração não vai aguentar.

Se já experienciou um ataque de pânico, sabe então do que lhe estou agora a falar. É difícil, incompreensível, e parece vir do nada. Eu sei. Mas garanto-lhe que quando o nosso corpo berra o melhor que temos a fazer é não ignorar, ou pensar que logo passa. Por muito que ainda não perceba porque é que ele berra (e, convenhamos, um ataque de pânico é um berro gigante do seu corpo) a verdade é que seria bom dar-lhe alguma atenção, pois estamos a falar de uma condição clínica que tende a piorar com o tempo.

Vários estudos recentes têm enfatizado a necessidade de controlar os níveis de ansiedade e stress, pois a expressão das emoções passa muito pelo corpo… e, como já dizia o António Variações “quando a cabeça não tem juízo, o corpo é que paga”. O seu corpo é um veículo extraordinário onde fluem emoções poderosas. Quando não as expressa, ou se coloca em stress, o seu corpo cobra a factura prejudicando, inevitavelmente, o seu coração e colocando-o sob pressão, quando ele poderia estar a relaxar, aproveitando a liberdade de saborear cada batida. A boa notícia é que pode mimar o seu coração com uma intervenção psicoterapêutica eficaz que reduz os níveis de stress e ansiedade, para que não atravesse situações como a que foi descrita acima. Uma intervenção integrada entre o seu médico (que se assegura da boa forma do seu coração) e um psicólogo (que se assegura da boa forma da sua ansiedade) consiste na abordagem ideal a uma resolução equilibrada do seu problema.

Se quiser saber mais sobre como pôr o seu coração a relaxar, libertar-se da perturbação de pânico e regular o stress consulte http://www.oficinadepsicologia.com/clinica_ansiedade.htm

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:04


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D