Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Perder peso e ganhar liberdade emocional

por oficinadepsicologia, em 15.06.11

Autora: Joana Florindo

Psicóloga Clínica

www.oficinadepsicologia.com

 

Joana Florindo

Temos vindo a assistir, nos últimos tempos, a um crescente interesse social sobre a problemática da obesidade. A especial atenção que a comunicação social lhe tem dado, através de artigos, reportagens e programas de televisão, tem contribuído para uma mais ampla consciencialização desta realidade, bem como das suas consequências.

 

            A Obesidade assume-se como um dos maiores problemas de saúde das sociedades ocidentais, devido à sua elevada taxa de prevalência, e é reconhecida mundialmente como um problema de saúde pública, que transporta graves problemas de saúde física, psicológica e social.

 

Sabemos que resulta de uma diversidade de factores, que se manifestam de forma diferente de pessoa para pessoa, e que vão desde a genética, a factores sociais e culturais, passando por factores comportamentais, como o consumo alimentar hipercalórico e o sedentarismo. Mas, convém realçar, que existem ainda variados aspectos psicológicos e emocionais que afectam este consumo alimentar, potenciando um maior aumento de peso.

 

Isto tende a acontecer quando a ingestão alimentar se apresenta como a resposta habitual a intensos sentimentos de tristeza, inquietação ou zanga, que parecem impossíveis de gerir. Quando a comida é percebida como a “melhor amiga” , que pode estar sempre presente, no confronto com situações particularmente difíceis, vão-se estabelecendo fortes relações de dependência. Estas, quando prolongadas no tempo, em muito favorecem o crescente aumento de peso.

 

            Este movimento de procura de apaziguamento emocional imediato, que à primeira vista parece ser uma estratégia reconfortante e eficaz, é também bastante desadequada do ponto de vista do funcionamento emocional, impedindo a vivência, a expressão e a regulação natural dos sentimentos e emoções.

 

            Nesse sentido, a intervenção da Psicologia nesta área, mais do que trabalhar a implementação e manutenção de hábitos alimentares saudáveis e de prática de actividade física, e incidir ao nível do controlo dos impulsos, promove um amplo trabalho de expressão emocional.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:32


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D