Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Vidas virtuais

por oficinadepsicologia, em 28.06.11

Autor: Luís Gonçalves

Psicólogo Clínico

www.oficinadepsicologia.com

 

Luis Gonçalves

Nestes tempos de informação e tecnologia, cada vez mais vivemos do facebook, twitter e de outras redes sociais. Alguns estudos iniciais revelam que estas comunidades são factores preventivos da depressão ao fornecerem um conjunto de relações, ainda que virtuais, que reduzem a sensação de solidão e de desamparo que muitos milhões de pessoas sentem no dia-a-dia. São também instrumentos úteis para sabermos informação em primeira mão, usar aplicações que nos fazem rir ou aprender, participar em concursos e promoções, publicitar os nossos serviços, passar tempo a jogar online, procurar e falar com amigos ou colegas, combinar eventos ao vivo com eles ou até ler textos como este!

 

A questão mais complexa surge no momento em que deixamos de viver a nossa vida real para adoptarmos um modo de vida à distância. De uma forma progressiva, muitas pessoas vão-se isolando das outras e apenas têm uma relação próxima com computadores, smartphones e imensos outros gadgets. De repente, construímos uma zona de conforto de tal forma estruturada que não “precisamos” de estar ao vivo com as pessoas que nos dizem algo. Ou pura e simplesmente, não precisamos do mundo exterior. Pedia-lhe agora que pensasse comigo nestes exemplos: se precisamos de saber notícias, vemos na rede social; se precisamos de fazer compras, fazemo-lo online; se queremos falar com alguém, entramos na rede social; quando queremos dar a conhecer o nosso trabalho, entramos na rede social; se queremos gastar tempo livre, procuramos algo na rede social; se queremos contactar com outros países, pesquisamos na rede social; se queremos procurar emprego, vemos na rede; se queremos conhecer pessoas novas, vemos a rede social;  e por aí adiante. No extremo, as nossas principais necessidades encontram resposta no mundo online!

 

Mas nós, enquanto seres humanos, precisamos de interagir com o mundo real. Até porque ganhamos “ferrugem” se não nos relacionamos frequentemente com o mundo ao vivo e a cores! É que precisamos de usar todos os nossos sentidos regularmente. Precisamos de estar em contacto directo com outros seres humanos. Precisamos de viajar e de conhecer novos sítios e costumes. Precisamos de comprar um bom livro, de assistir a uma boa peça de teatro, concerto ou filme. Precisamos de ir a um mercado e comprar vegetais frescos. Precisamos de rir e chorar com a vida que nos toca de manhã à noite. Precisamos de sentir o sol que nos aquece a alma ou a chuva que nos rejuvenesce o corpo. Precisamos de saborear aquele café tão especial, aquele vinho tão íntimo ou aquele sumo com tanta vitalidade. E podia continuar sem fim, relembre tudo aquilo que a sua vida lhe pode dar enquanto contacta com mil e uma sensações.

 

Concluindo, a vida virtual dá-nos muita coisa boa. Mas apenas complementa a nossa existência. Precisamos de estar em contacto com as nossas raízes e com aquilo que o ser humano mais precisa na sua essência: ser feliz, momento a momento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:51


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D